Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Teixeira diz que lentidão é “democracia” e pede respeito da Fifa

Presidente da CBF defende a organização da Copa de 2014 e diz que Brasil tem competência para fazer um torneio impecável

iG São Paulo |

Ricardo Texeira entrou no debate travado neste sábado entre o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, e o ministro do Esporte, Aldo Rebelo . O presidente da CBF tomou partido do governo em nota oficial publicada no site da entidade, na qual atrela a lentidão das obras da Copa de 2014 ao regime democrático brasileiro. No texto, o cartola fala grosso e cobra respeito ao "país e seus três poderes", destacando a força econômica do Brasil e prometendo uma Copa "impecável, inesquecível".

Deixe seu recado e comente com a notícia outros torcedores

“Algumas questões na organização da Copa do Mundo podem parecer que avançam lentamente. Mas em todo processo democrático as discussões devem ser amplas e sempre levar em conta os interesses do povo. O Brasil não tem um dono, é uma democracia sólida e reconhecida mundialmente. O país e seus três poderes devem ser respeitados sempre”, escreve o dirigente, que está à frente da CBF desde 1989.

Em defesa dos organizadores do próximo Mundial, Ricardo Teixeira lembra que o Brasil é uma das seis maiores economias do planeta e, ao contrário de outros países, não passa por uma grave crise. Diz ele que o Brasil "segue crescendo enquanto a maior parte do mundo atravessa uma grave crise".

Valcke pede que Brasil 'ponha casa em ordem' por Copa do Mundo e fala em "pontapé na bunda" para acelerar a organização do evento

Getty Images
Troca de farpas entre o secretário geral da Fifa e ministro Aldo Rebelo marcaram o final da semana

VEJA MAIS: Brasil "não aceita mais" Valcke como interlocutor para Copa, diz Rebelo
E TAMBÉM: Valcke diz que veto imposto pelo governo brasileiro é 'infantil'

Texeira diz compreender as manifestações da Fifa, a quem pede calma. “As preocupações da Fifa em relação aos preparativos de todas as Copas do Mundo são naturais e legítimas. Mas a entidade pode ficar tranquila porque o Brasil e seu povo têm competência e seriedade para organizar uma Copa do Mundo impecável, inesquecível”.

Agência Brasil
Ministro Aldo Rebelo considerou ofensivas as declarações de Valcke sobre a organização da Copa do Mundo

O dirigente ainda ressalta a luta política para trazer a Copa ao Brasil, que a recebeu anteriormente em 1950. “Ela acontecerá no Brasil e não será por acaso. Veio através de uma construção política que possibilitou o rodízio de continentes. Chegou à América do Sul pela sua força de nove títulos mundiais. Foi confiada ao país mais vitorioso da história das Copas, o único que disputou todas as edições do torneio”.

A nota termina com uma referência à população. “A Copa do Mundo de 2014 acontecerá no Brasil porque assim querem o Governo Federal, o COL e a CBF, mas acima de tudo, por merecimento", diz. "O povo brasileiro (...) receberá com extremo orgulho, 64 anos depois, a maior festa do futebol mundial”, concluio texto.

Leia tudo sobre: Ricardo TeixeiraCBFFifaCopa 2014jerome valcke

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG