Tamanho do texto

Marcos Paquetá voltou ao Brasil em fevereiro. Ele tem contrato para treinar a seleção líbia até 2014

Técnico da seleção da Líbia, o brasileiro Marcos Paquetá, pretendia treinar a sua equipe na próxima quarta-feira. Desde 2010 trabalhando no país africano como comandante da seleção local, ele teria um amistoso contra o Marrocos. O jogo foi cancelado devido aos conflitos na Líbia , entre rebeldes e Muamar Kadafi. No último final de semana, os adversários do líder líbio tomaram Trípoli, a capital do país.

“Não recebo uma informação de lá há uma semana. Iríamos jogar no Marrocos, mas não teve condições de ter a partida”, disse ao iG Paquetá. O técnico revela que a maioria dos jogadores da seleção líbia mora no país. “O importante agora nem é o time, mas a situação das pessoas lá. Não sei como estão as coisas. Estou muito apreensivo”, afirmou o brasileiro.

Milhares de líbios celebram no reduto opositor de Benghazi o que rebeldes dizem ser o primeiro levante contra o regime de Kadafi na capital, Trípoli
AFP
Milhares de líbios celebram no reduto opositor de Benghazi o que rebeldes dizem ser o primeiro levante contra o regime de Kadafi na capital, Trípoli
Paquetá assumiu o comando do time no meio de 2010. Chegou a morar cinco meses em Trípoli, mas voltou ao Brasil em fevereiro quando os conflitos se acirraram. “Vim no último voo que saiu, no dia 21 de fevereiro”, diz o técnico, que está no Rio de Janeiro. Um dia depois, o espaço aéreo da Líbia foi fechado.

Na seleção, o brasileiro teve contato com o filho mais velho de Muamar Kadafi, Mohammed, capturado no último final de semana . “Ele é o ministro do esporte. Às vezes ele ia acompanhar os treinamentos e até conversava com os jogadores antes dos jogos no vestiário. É uma pessoa muito querida no país”, diz o treinador.

Mohammed também comandava a empresa de telecomunicações na Líbia e foi o responsável por censurar o acesso à internet no país no início dos conflitos com os rebeldes .

A Líbia está participando da etapa classificatória da Copa das Nações Africana e tem uma partida oficial prevista para 3 de setembro contra Moçambique. O jogo está marcado para ocorrer em terreno neutro, na cidade de Bamako, no Máli.

Seus encontros com os jogadores da seleção tem se dado na Tunísia, que tem servido como sede improvisada para a realização de treinos por parte da equipe.

Desde o início da rebelião contra Kadafi, o time já realizou dois jogos, ambos contra a equipe das Ilhas Comores. Na primeira disputa, em março, a Líbia goleou os adversários por 3 a 0 e, no seguinte, em junho, empatou em 1 a 1.