Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Suposto sumiço de dinheiro une rivais políticos no Palmeiras

Conselheiros esquecem "partidos" e tentam esclarecer os R$ 300 mil que não aparecem na contabilidade

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

Um suposto sumiço de até R$ 300 mil das contas do Palmeiras está mobilizando todas as alas do Conselho palmeirense e até mesmo unindo rivais da política. As constantes conversas entre Seraphim Del Grande, que apoiou Paulo Nobre na última eleição, e Piraci de Oliveira, ligado a base que elegeu Arnaldo Tirone, são só um exemplo disso. Eles tentam deixar as diferenças políticas de lado para entender o destino dessa verba e, se preciso, punir os culpados.

O fato é que em 2010, com a autorização do clube, Pedro Jorge Renzo de Carvalho, advogado do Palmeiras e sócio de Antônio Carlos Corcione, que é conselheiro do time, resgatou cerca de R$ 1,1 milhão de valores referentes a tributos discutidos na Justiça. Posteriormente, a contabilidade do clube só registrou a entrada de aproximadamente R$ 880 mil.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time em tempo real

Renzo, que também é advogado do presidente Arnaldo Tirone, foi questionado sobre o assunto e defendeu-se exibindo documentos que foram assinados por Francisco Busico, então responsável pelo departamento financeiro do clube.

Ele ainda explicou que essa diferença de quase R$ 300 mil foi paga em dinheiro para cobrir um furo no caixa e colocou-se à disposição do comitê de sindicância que foi eleito pelo COF (Conselho de Orientação e Fiscalização) para novos esclarecimentos. Parte dessa quantia ainda teria servido para o pagamento de um advogado e essa operação também teve recibo.

Na última quinta-feira, inclusive, esse comitê fez uma nova reunião, colheu novas declarações e deve exibir um relatório com conclusões nos próximos dias. Corcione explica que tudo não passa de uma confusão da contabilidade do clube e faz questão de ressaltar a idoneidade de Busico e Renzo.

Coloque seu time em 1º lugar no ranking da Torcida Virtual do iG Esporte

“O Pedro já passou todos os documentos, todos assinados pelo Busico. Ninguém seria burro de prestar contas e não repassar a verba para o clube. O Pedro é advogado do clube há mais de 15 anos, já resgatou verbas e mais verbas e sempre foi tudo certo, não seria por R$ 200 mil que iria se complicar. O Busico está aí há muito tempo no financeiro do clube e também nunca teve problema. Agora estão criando uma tempestade em torno disso, não sei se tem fundo político ou algo do tipo. O que sei é que isso vai ser resolvido e não passa de um problema de contabilidade. Não tem a menor possibilidade de eu duvidar do Busico e do Renzo”, afirmou Corcione.

Uma auditoria externa também foi contratada pelo clube para que as contas fossem examinadas e o destino do dinheiro fosse finalmente esclarecido. Ela deve exibir um relatório detalhado para que as investigações sejam concluídas ou tomem um novo rumo.

Francisco Busico foi procurado pelo iG, mas seu celular estava desligado ou fora da área de serviço.

Leia tudo sobre: palmeiraspedro renzoseraphim del grandecorcione

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG