Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Suposta proposta do Corinthians a Edu Dracena irrita santistas

Empresário do jogador alegou que pediu para falar com o presidente para dizer que Dracena fica no clube

Samir Carvalho, iG Santos |

Divulgação
Dracena alegou nascimento do filho para não se apresentar nesta segunda-feira
O empresário e irmão do zagueiro Edu Dracena, Renato Abonízio, está na cidade de Santos e se reuniu com o presidente do clube, Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, nesta terça-feira, na Vila Belmiro. No encontro, o agente apresentaria uma suposta proposta do Corinthians ao zagueiro.

Abonízio pediu para conversar diretamente com o presidente santista e irritou os dirigentes. Segundo o diretor de futebol Pedro Luís Nunes Conceição, o clube não recebeu nenhuma proposta pelo capitão santista e não entendeu o motivo da reunião.

“Não chegou nenhuma proposta para o Santos de clube interessado no Edu. Aliás, nós nem entendemos o porquê de uma solicitação do empresário dele por uma reunião diretamente com o presidente. Não temos o conhecimento de nada do que possa acontecer”, afirmou o diretor de futebol.

Após ser questionado sobre a oferta do Corinthians, o empresário do jogador desconversou e disse que a reunião seria apenas para avisar o Santos de que Edu Dracena permanecerá no clube. O zagueiro também evitou falar sobre o assunto nesta terça-feira, no CT Rei Pelé, mas não negou a proposta do Corinthians.

“Eu sabia que vocês iam me perguntar isso”, respondeu o jogador sorrindo, antes da reunião entre seu irmão e o presidente santista.

Edu Dracena não se apresentou com o elenco na segunda-feira, no CT Rei Pelé, alegando que gostaria de ficar com o filho Lourenzo, que nasceu no último sábado. A diretoria santista atendeu ao pedido do atleta, que voltou aos trabalhos na manhã desta terça-feira.

O capitão santista tem contrato com o Santos até o final de 2012. Segundo o diretor jurídico do clube, João Vicente Gazolla, a multa rescisória do jogador é de R$ 70 milhões para clubes brasileiros.

“Quando ele assinou contrato em setembro de 2009, a multa foi calculada pelo salário. Esse (R$ 70 milhões) foi o valor máximo permitido pela lei Pelé. Já para o exterior a multa foi estipulada em 2 milhões de euros, uma exigência do próprio jogador”, disse o advogado.

Leia tudo sobre: santosedu dracenacorinthians

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG