Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Sócrates: Médico, craque, pai da Democracia Corintiana e artista

Ídolo do futebol brasileiro morreu na madrugada de domingo, em São Paulo, vítima de infecção generalizada

iG São Paulo |

Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira teve uma trajetória tão extensa e única quanto seu nome completo. Ídolo da torcida corintiana, fugiu ao estereótipo do típico jogador de futebol. Além de ser formado em Medicina (daí o apelido de “Doutor”), sempre se mostrou bem articulado, dono de opiniões sólidas sobre política e cultura.

Leia também: Sócrates morre em São Paulo aos 57 anos vítima de infecção generalizada

Não à toa, no início dos anos 80 foi o principal articulador da Democracia Corintiana. Movimente que, em plena ditadura militar do presidente-general João Figueiredo, passou a defender maior autonomia e direitos aos jogadores (como o fim da concentração) e o voto direto para presidente da República. O movimento Diretas Já, aliás, contou com amplo apoio do jogador.

Leia também:

Ex-presidente Lula lamenta a morte do ‘grande amigo’ Sócrates

Ronaldo e Neymar fazem homenagem a Sócrates pelo Twitter

Ex-companheiros de Corinthians lamentam a morte do ídolo Sócrates

Desafeto de Sócrates, Andrés é seco nos pêsames ao “Doutor”

Em setembro, Sócrates afirmou que sua única dependência era a intelectual

Sócrates nasceu em Belém, no Pará, no dia 19 de fevereiro de 1954. Apareceu para o futebol nos anos 70, no Botafogo de Ribeirão Preto. Aluno da Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto, só se transferiu para um time grande quando pegou o diploma de médico, em 1978. Por esse motivo, sua chegada ao Corinthians foi um tanto tardia, se concretizando apenas aos 24 anos.

O Corinthians que recebeu Sócrates em 1978 respirava novos ares desde o ano anterior. A equipe vencera o Campeonato Paulista de 1977, sobre a Ponte Preta, encerrando seu jejum de 23 anos sem títulos. Sem a mesma cobrança dos anos de escassez, o time do Parque São Jorge foi campeão paulista novamente, já com o “Doutor” em campo, em 1979.

Sua jogada característica era o toque de calcanhar com o qual marcava gols ou, principalmente, deixava os companheiros na cara do goleiro adversário. Também era sua marca a comemoração com o braço direito estendido e o punho fechado.

No Parque São Jorge, encontrou as condições e os colegas ideais para o período que ficou marcado no clube como a Democracia Corintiana. Ao lado de Wladimir, Casagrande e Zenon, e com Adílson Monteiro Alves como diretor de futebol do clube, Sócrates tornou-se símbolo de uma época em que todos no clube, do roupeiro ao presidente, passando pelos jogadores, opinavam sobre as principais questões do time. Isso foi ao encontro das manifestações por democracia na sociedade brasileira, naqueles que seriam os últimos anos da ditadura militar. O Corinthians de Sócrates refletia os anseios da sociedade.

Veja também: Contestação foi marca registrada de Sócrates. Leia frases do ídolo

Convocado pelo técnico Telê Santana, foi um dos maiores nomes da inesquecível seleção brasileira da Copa de 1982. Encantou o mundo ao lado de Zico e Falcão, mas não escapou do estigma pela sofrida eliminação frente à Itália. Em 86, disputou sua segunda Copa e liderou a seleção ao lado de Careca. Porém, nova eliminação, desta vez para a França.

Dois anos antes, em 1984 Sócrates trocara o Corinthians pela Fiorentina, da Itália, mas não obteve sucesso. Jamais escondeu uma certa desconfiança de seus colegas de clube por conta de suposta manipulação de resultados. Retornou ao Brasil em 85 para jogar no Flamengo, de Zico. Depois, ainda defenderia o Santos. Encerrou a carreira em 1989, no mesmo Botafogo que o revelou para o futebol.

Após pendurar as chuteiras, vivenciou o surgimento para o futebol de seu irmão Raí, que também começou no Botafogo-SP antes de se tornar um dos maiores ídolos da história do São Paulo.
Além do futebol e da Medicina, Sócrates sempre mostrou proximidade com o mundo das artes. Foi compositor e cantor (chegou a grava disco), além de escritor e pintor.

null

Leia tudo sobre: sócratescorinthians

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG