Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Sem todos reforços, Leão vê sucesso como fruto de novo comportamento

As únicas novidades entre os titulares que não estavam no clube no ano passado são Bruno Cortez, Paulo Miranda e Jadson

Gazeta |

Futura Press
"Mudamos um pouco, mas também mudou a filosofia, o comprometimento. Essas coisas ajudam qualquer treinador", disse Leão

A temporada do São Paulo só teve 16 jogos até o momento, mas a diretoria já ouve nas entrevistas de Emerson Leão a mudança que desejava para 2012: o elenco se mostra comprometido. E ainda não foi necessário - nem possível - usar todos os oito reforços contratados na reformulação promovida para este ano.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Mudamos um pouco, mas também mudou a filosofia, o comprometimento. Essas coisas ajudam qualquer treinador", analisou o comandante, usando a vitória sobre o Santos como exemplo. "O companheirismo e a sobrecarga em campo têm aumentado. Neste último jogo, foram 41 minutos com um a menos contra um time de grandes jogadores, elenco, estrutura e treinador. Deu certo."A comemoração vem como prova de que ficou no elenco quem tem um perfil mais responsável. As únicas novidades entre os titulares que não estavam no clube no ano passado são Paulo Miranda, Bruno Cortez e Jadson. Edson Silva, Maicon e Osvaldo, também recém-contratados, são reservas e Fabrício e Douglas ainda não estão à disposição por conta de lesão.

Leia mais: Quase um mês após sua estreia, Fabrício volta a correr em campo

Leão sempre ressalta que quem permaneceu está resolvendo. "É altamente interessante sabermos que a equipe está reagindo. Começou com um pouco de instabilidade, mas reagiu bem. Conseguiu esta pontuação por fruto de uma vontade muito grande e um acerto maior", comentou o técnico, feliz com a atual sequência de seis vitórias.

Veja também: Corinthians lidera transmissões em TV aberta, mas vê São Paulo crescer

A cobrança, agora, é pela manutenção do comprometimento que até Luis Fabiano cobrou. "Quero o que todos queremos: repetições de bom comportamento, renúncia de toda individualidade, pensamento coletivo e confiança de vitória. É uma fase de classificação que precisa satisfazer a todos. Estamos começando a entrar nesta linha de fogo", apontou o chefe.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG