Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Sem substituto, Liedson se resguarda para jogar até o fim do ano

Referência no ataque do Corinthians, jogador valoriza parte física para chegar bem em dezembro

Bruno Winckler, iG São Paulo |

AE
Liedson está ciente de que o time precisa muito dele
A boa fase de Liedson faz o Corinthians fechar os olhos para necessidade de ter um jogador que o substitua numa eventualidade. A solução que o clube havia encontrado para a carência nem tão esporádica de Ronaldo virou problema com a aposentadoria do “Fenômeno”.

Contratar mais um atacante deixou de ser fundamental no clube quando Liedson chegou. O clube confia que diferente de Ronaldo, o novo camisa 9 seja mais assíduo nos jogos. Um zagueiro e um meia são as prioridades da diretoria.

Contratado para jogar ao lado ou no lugar do "Fenômeno", o atacante naturalizado português não pode agora se dar ao luxo de se contundir. Não há ninguém que o possa substituir no atual elenco, um fato semelhante ao vivido pelo clube quando só tinha Ronaldo como seu camisa 9.

Tite teve de improvisar Edno em algumas partidas deste ano e, na temporada passada, Souza não tinha a confiança da comissão técnica para entrar na vaga de Ronaldo.

Liedson não gosta de comparações, mas reconhece que seu atual momento faz o time depender muito das suas atuações. Por isso já está preocupado em se poupar para jogar bem até o final do ano. Atuando desde agosto, quando começou a temporada europeia com o Sporting, Liedson só teve uma semana de folga desde então, no Natal. Para não se sobrecarregar e jogar em alto nível até final do Brasileiro, em dezembro, ele avisa que já conta com atenção especial dos médicos e dos preparadores físicos do clube.

“Eu estou jogando desde o início de agosto, parei só uma semana no Natal, mas vamos gerir bem e comissão já sabe disso. Quando for preciso vamos aliviar a carga de treinos. Estou sempre falando como me sinto para o pessoal e aos poucos vamos entrando em sintonia”, disse Liedson.

O atacante atribuiu a boa fase no Corinthians – com sete gols em cinco jogos – também ao fato de já ter chegado ao Corinthians com ritmo de jogo. “Esse foi o lado bom de já ter começado a época em Portugal. Me sinto muito bem, mas sei que lá para junho, julho, vou ter que dar uma segurada nos treinos”, disse, relembrando que na metade de 2011, teoricamente, estará terminando uma temporada.

Leia tudo sobre: corinthianscampeonato paulista 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG