Neymar acertou a trave duas vezes e Liedson uma no 0 a 0 no Pacaembu. Ganso saiu machucado no intervalo

Foi sem gols que acabou a primeira partida decisiva entre Corinthians e Santos pelas finais do Campeonato Paulista, no Pacaembu.

Em tempos distintos, com o time da casa melhor na primeira etapa e os visitantes muito superiores no segundo, o 0 a 0 acabou deixando tudo aberto para o segundo jogo da decisão, no domingo que vem, na Vila Belmiro. Novo empate levará a decisão para o pênaltis.

Neymar , que acertou duas vezes a trave de Júlio César , brilhou por Ganso . O meia, envolvido em disputas nos bastidores em que poderia trocar o Santos pelo Corinthians, teve atuação apagada e saiu machucado no intervalo .

No Corinthians, Dentinho perde cada vez mais espaço. Vaiado mais uma vez pela torcida, deixou o campo no início do segundo tempo para dar lugar ao novo xodó da torcida: Willian. Tite ainda teve de ouvir gritos de burro quando trocou Bruno César por Morais. Liedson, com uma bola na trave no fim do jogo, se esforçou, mas não impediu o empate em casa.

O Santos agora desliga-se por 72 horas do Campeonato Paulista e se concentra na partida de ida contra o Once Caldas pelas quartas de final da Libertadores. O primeiro jogo será em Manizales, na Colômbia, quarta-feira.

O Corinthians, que tem somente o Paulistão para disputar desde o início de fevereiro, se guarda por mais uma semana até a partida decisiva da Vila Belmiro no próximo domingo.

Paulo Henrique Ganso disputa bola no primeiro tempo: atuação discreta no Pacaembu
AE
Paulo Henrique Ganso disputa bola no primeiro tempo: atuação discreta no Pacaembu


O jogo
Talvez por conta da empolgação da torcida, o Corinthians começou melhor a partida. Nos primeiros minutos, com chutes de fora da área chegou a assustar o goleiro Rafael. O primeiro foi Paulinho, logo aos dois minutos de jogo. O volante acertou um chute forte, rente ao gramado, que passou perto do gol do santista.

Ciente dos perigos que correria tendo Neymar atacando do lado esquerdo da linha de frente santista, Tite confirmou uma tendência da semana e escalou Wallace na lateral-direita com missão quase exclusiva de frear as ações da joia santista no setor.

A escolha de Wallace serviu também para que a equipe mudasse de esquema tático à medida que a partida exigisse. Por vezes, Wallace compôs a defesa como um terceiro homem deixando Jorge Henrique como ala pela direita e Fábio Santos pela esquerda com o Corinthians atuando num esquema 3-5-2.

O Corinthians era melhor, tanto que aos 18 minutos teve ótima chance de abrir o placar. Jorge Henrique lançou Liedson, que, já dentro da área, mandou a bola para o meio da área. A zaga do Santos conseguiu tirar por centímetros antes de Dentinho mandar para as redes.

Após sentir lesão, Ganso não resistiu às dores e teve que deixar a partida
AE
Após sentir lesão, Ganso não resistiu às dores e teve que deixar a partida


Na defesa, Wallace fazia bem o seu papel, subindo pouco ao ataque, mas logo no primeiro contra-ataque santista em que Neymar surgiu na intermediária com velocidade, o zagueiro improvisado foi forçado a pará-lo com falta recebendo o primeiro cartão do jogo.

O amarelo de Wallace, aos 15 minutos de jogo, deu mais liberdade a Neymar e ao Santos, que até ali não conseguiam chegar muito ao gol. Com uma marcação menos forte, Neymar pôde exatamente numa descida pelo lado direito da defesa corintiana criar a melhor chance do primeiro tempo. Aos 23 minutos, Neymar arrancou para cima de Wallace, invadiu a área e chutou rasteiro. A bola tocou a trave direita de Júlio César.

Numa resposta rápida, o Corinthians chegou com Bruno César no minuto seguinte. O meia arrancou com a bola do meio campo, passou toda a defesa santista e com boas condições de chute mandou a bola por cima do gol de Rafael.

Este lance empolgou a torcida corintiana e deu sinais de que incendiaria a partida depois de o Santos ter começado a levar perigo também. Porém, o que se viu dali até o fim do primeiro tempo foi um jogo sem velocidade e com poucas chances para os dois lados.

Se o jogo perdeu em criatividade, a tendência era piorar no segundo tempo. Nos últimos minutos do primeiro tempo, Ganso levou uma entrada de Jorge Henrique e sentiu dores na coxa direita. O meia não voltou para o segundo tempo.

Com Alan Patrick no lugar de Ganso, o Santos perdeu sua referência na criação de jogadas e viu o Corinthians reiniciar a partida um pouco melhor, como fora no primeiro tempo. Bruno César, que tivera as melhores chances de gol na primeira parte do jogo, voltou para o jogo que talvez seja o seu penúltimo com a camisa corintiana com vontade. Mas ela não veio com boa pontaria.

Dentro da área, logo aos quatro minutos, o meia fez boa tabela com Liedson, mas na hora chute não colocou força no pé e a bola foi macia para os braços de Rafael.

Os presidentes de Santos e Corinthians assistiram ao jogo na área VIP. Qual foi o assunto?
Milton Trajano
Os presidentes de Santos e Corinthians assistiram ao jogo na área VIP. Qual foi o assunto?


O Santos, porém, logo passou a tocar mais a bola e não demorou para tomar conta das melhores ações do jogo. Neste momento, Neymar, órfão do parceiro Ganso, tomou para si o protagonismo que acompanha a dupla desde a campanha do título paulista conquistado por eles em 2010.

Entrosado com Alan Patrick, com quem também jogou na base santista, Neymar criou uma chance claríssima e teve outra, mas não passou por Júlio César.

Na primeira, deixou Danilo na cara do goleiro corintiano. O santista tentou encobri-lo, mas Júlio César conseguiu dar um tapa leve na bola antes de Chicão salvar em cima da linha. Logo depois, foi Neymar que apareceu frente a frente a Júlio César. Nesta hora, todo Pacaembu imaginava (para o bem ou para o mal) que o destino daquela bola seria as redes, mas por um capricho, após um chute forte do garoto santista, ela explodiu no travessão.

Acuado em seu próprio campo, o Corinthians não conseguia mais criar. Tite então, aos 13 minutos, com poucas opções no banco, sacou Dentinho, vaiado pela maioria do Pacaembu, para colocar Willian, que já vinha tendo seu nome gritado pela torcida desde a metade do primeiro tempo.

O treinador ainda trocou Bruno César por Morais. A troca despertou a ira de alguns corintianos das numeradas que acabaram chamando o treinador de burro. Sem identidade, o Corinthians virou presa fácil do Santos e parou. Morais, lento, não deu ao time a velocidade que Tite talvez esperasse dele antes da troca inusitada. O meia criou apenas uma boa chance quando aos 26 minutos cruzou para Paulinho na pequena área. O volante chutou por cima do gol.

O Santos tocava bem a bola, mas depois das chances claras que desperdiçou, não conseguiu igualar, em perigo, as jogadas da primeira metade do primeiro tempo. Aos 29, Wallace, cansado de correr atrás de Neymar, foi sacado para a entrada de Ramírez. Paulinho virou lateral-direito.

O Santos, com Elano, duas vezes cobranças de falta, assustou também assustou Júlio César.
Para o Corinthians, a melhor chance de gol saiu já no final do jogo. Liedson recebeu passe de Jorge Henrique na entrada da área, invadiu a defesa santista e chutou forte de esquerda na trave direita de Rafael.

Com o placar em 2 a 1 para o Santos em bolas na trave, o jogo acabou sem gols e totalmente aberto para o jogo de volta em uma semana.

FICHA TÉCNICA – CORINTHIANS 0 x 0 SANTOS
Data : 8 de maio de 2011, domingo
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Árbitro : Cléber Wellington Abade
Assistentes : Rogério Pablos Zanardo e Fausto Augusto Viana Moretti.
Cartões Amarelos : Wallace (COR); Danilo, Neymar (SAN)
Renda: R$ 1.412.840,00
Publico: 34.547 pagantes

CORINTHIANS: Júlio César; Wallace (Ramírez), Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Bruno César (Morais) e Jorge Henrique; Dentinho (Willian) e Liédson.
Técnico: Tite.

SANTOS: Rafael; Jonathan, Edu Dracena, Durval e Alexsandro; Adriano, Danilo, Elano (Pará) e Paulo Henrique Ganso (Alan Patrick); Neymar e Zé Eduardo (Keirrison).
Técnico; Muricy Ramalho

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.