Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Sem defesa e com veteranos em alta, Mano tem problemas para Olimpíadas

Jogos de Londres, em 2012, será próximo torneio oficial, mas treinador não sabe com quem poderá contar

Marcel Rizzo e Paulo Passos, enviados iG a Los Cardales |

Mano Menezes fracassou em seu primeiro torneio oficial no comando da seleção brasileira ao cair nas quartas de final da Copa América e terá mais dois campeonatos oficiais até o Mundial de 2014, que será no Brasil: os Jogos Olímpicos de Londres , em 2012, e a Copa das Confederações de 2013, em casa. As Olimpíadas são realizadas com jogadores sub 23, com exceção de três atletas que podem ultrapassar essa idade, o que transforma a competição em um problema ao treinador por dois motivos: na Copa América os veteranos, como Lúcio e Julio Cesar, se fortaleceram, mas nem todos poderão estar na Inglaterra. E, segundo, que faltam boas opções de jovens para o setor defensivo.

“Vamos trabalhar o time olímpico ao mesmo tempo em que realizaremos amistosos com o time principal. As Olimpíadas tem um diferencial, que é não ser um evento Fifa (o que não obriga a liberação dos jogadores). Ou seja, os atletas têm que negociar diretamente com seus clubes”, lembrou Mano Menezes. A medalha de ouro é algo inédito para o país e treinadores já perderam o cargo por fracassarem no torneio – Vanderlei Luxemburgo, em 2000 (Sydney), saiu depois de perder para Camarões nas quartas de final. Em 2008, em Pequim, Dunga apanhou da Argentina na semifinal e balançou no cargo até se estabilizar nas Eliminatórias.

Por tudo isso Mano Menezes sabe da importância de ir bem, o problema é que desconhece com quem poderá contar na competição que será disputada em julho de 2012. Seu setor ofensivo da Copa América, por exemplo, é quase todo formado por jogadores com idade para jogar. Neymar e Paulo Henrique Ganso, hoje no Santos, provavelmente estarão na Europa daqui um ano e terão que acertar com os novos clubes – se permanecerem no Brasil a negociação para uma liberação seria mais fácil porque a diretoria santista é aliada da CBF (Confederação Brasileira Futebol). Já Alexandre Pato pode começar em breve a tratativa com o Milan para estar em Londres.

“Vamos usar os jogadores com calma, não podemos nos precipitar”, disse o treinador. A resposta dá a entender que não testará jogadores com idade olímpica em jogos mais complicados, como o de 10 de agosto, contra a Alemanha, em Stuttgart, e contra Espanha e Itália, ainda sem data e locais confirmados. Ele poderá utilizar alguns contra a Argentina, que terá um time B, na reedição da Copa Rocca, em dois jogos (dia 14 de setembro na Argentina e 21 de setembro no Brasil).

AE
Julio Cesar é um dos veteranos que pretendem ir às Olimpíadas de Londres
Defesa
Desde que assumiu, em julho de 2010, Mano convocou alguns jogadores com idade olímpica. Para o gol, por exemplo, chamou Renan, ex-Avaí e hoje no Corinthians e Gabriel, garoto de 18 anos do Cruzeiro. Para o meio e ataque tem bons nomes, como Ganso, Lucas, Neymar e Pato, que estão nos planos. O problema, porém, é a defesa. De todos os convocados até agora pelo treinador há quase um ano, somente dois era defensores com idade olímpica: o zagueiro Breno, do Bayern de Munique, e o lateral-direito Rafael, do Manchester United.

Por isso, um dos dois zagueiros, Lúcio ou Thiago Silva, deverão estar na lista. Pela liderança, e depois de cobrar publicamente dos mais jovens seriedade, o primeiro hoje seria o mais cotado. O goleiro Julio Cesar é outro que quer estar em Londres, como contou em entrevista exclusiva ao iG durante a Copa América.

O técnico Mano Menezes acompanhará in loco parte do Mundial sub 20, que será realizado do final de julho a agosto na Colômbia. Em conjunto com o coordenador das categorias de base Ney Franco, poderá analisar jogadores que poderão estar nas Olimpíadas, torneio importante para que o técnico esteja no banco de reservas em 2014.

“Continuamos produzindo grandes jogadores, que passam pela base bem, mas que não conseguem produzir quando chegam à seleção principal. É isso que precisamos mudar, mas demora um pouco para produzir efeito”, disse Mano.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG