Tamanho do texto

Clube deve aparecer diversas vezes no interior paulista e, quando ficar na capital, Canindé será o preferido

Sem uma casa para jogar até o início de 2013, o Palmeiras desenvolve um plano gastar a menor quantidade possível de dinheiro. Com a diretoria buscando cada vez mais corte de gastos, o clube deve aparecer em várias rodadas no interior paulista e, quando ficar na capital, no Canindé.

O custo com o Pacaembu, incluindo aluguel e outras despesas necessárias para se mandar um jogo, como os funcionários que trabalham no dia, chega a R$ 100 mil. No Canindé, esse valor pode cair até pela metade. Neste domingo, na estreia do Brasileirão contra o Botafogo , o jogo acontecerá em São José do Rio Preto, por causa de uma punição imposta ao clube após torcedores atirarem objetos no gramado na última rodada do Nacional do ano passado.

Ao mesmo tempo em que será obrigado, o clube já aproveitará a situação como teste e espera casa cheia pelos torcedores do interior do Estado, que poucas vezes podem assistir ao seu time do coração.

“Depende de algumas datas, de alguns jogos e uma situação ser bem examinada. A gente tem bons estádios no interior, o próprio Ituano tem um estádio bem arrumadinho, que está espetacular. E lá tem muito palmeirense. Em São José do Rio Preto, provavelmente vamos ter 95% de torcedores palmeirenses, que não assistem ao Palmeiras há muito tempo. Dá para ir de vez em quando no interior, com exceção dos clássicos, que devem ser no Morumbi ou no Pacaembu”, afirmou Luiz Felipe Scolari.

Na terceira rodada, o jogo contra o Atlético-PR será no Canindé, a pedido da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), já que o Pacaembu servirá de palco para jogo da seleção contra a Romênia.

“Não adianta, não vamos ter casa. Contra o Atlético-PR, vamos jogar no Canindé, que é também um estádio que nós gostamos de jogar. Parece um pouco da nossa casa. Vamos ter que fazer, de todos os estádios do Brasil, a nossa casa. Até fim de 2012, tomara, vamos ter um estádio, aí é outro assunto”, finalizou.

O Palmeiras também chegou a tentar ganhar dinheiro com seu mando de campo, mas foi vetado pela FPF (Federação Paulista de Futebol). O jogo contra o Botafogo seria em Brasília e  time poderia ganhar cerca de R$ 300 mil com o negócio.