Tamanho do texto

Falta em grama em algumas partes e há desnível no campo. Jogadores fizeram treino leve

A seleção brasileira fez, nesta sexta-feira à tarde, o reconhecimento do gramado do estádio Mário Alberto Kempes, em Córdoba (a 750 km de Buenos Aires), palco da partida contra o Paraguai neste sábado, às 16h, pela segunda rodada do Grupo B da Copa América .

Leia matéria sobre a goleada sofrida pelo Brasil em Córdoba, na Copa América de 1987 , com vídeo dos gols

Mano Menezes comandou um rachão e o estado da grama preocupou a comissão técnica. Apesar de ainda não ter recebido jogos da competição (brasileiros e paraguaios farão o primeiro dos quatro jogos programados para Córdoba), o campo tem irregularidades e em alguns pontos falta grama.

A bola quica muito e, durante o recreativo, muitos jogadores reclamaram que pegaram muito embaixo da bola por causa disso. Na primeira partida, contra a Venezuela (0 a 0) , em La Plata, o técnico Mano Menezes já havia reclamado do gramado do Estádio Único, que soltou tufos de grama.

O Brasil ainda vai realizar uma segunda partida na cidade, quarta-feira (13 de julho), contra o Equador, e o estado do gramado deve estar ainda pior, já que dois dias antes (11) a Argentina enfrenta a Costa Rica no mesmo local. Serão, portanto, três jogos em cinco dias.

Os jogadores treinam no estádio, de olho no jogo contra o Paraguai
Marcel Rizzo
Os jogadores treinam no estádio, de olho no jogo contra o Paraguai

Depois do rachão, os jogadores de meio de campo e ataque treinaram finalizações com o auxiliar técnico Sidnei Lobo. Durante esse trabalho, o sistema do som do estádio testou o Hino Nacional Brasileiro e a música tema da Copa América. Contra a Venezuela não houve hinos porque a organização esqueceu as músicas.

Reformado
Tanto visto por fora quanto por dentro, o estádio Mário Kempes, antigo Olímpico de Córdoba, está bonito. Ele foi reformado, a custo de R$ 30 milhões, pagos pelo governo da província (estado) de Córdoba. Teve a capacidade aumentada em quase 20 mil lugares, está todo pintado e o único toque final que estava sendo feito na tarde desta sexta era a pintura e colocação de uma grade externa.

O governo quer evitar que o estádio vire um “elefante branco”, por isso tenta convencer o Belgrano, clube que subiu para a primeira divisão ao rebaixar o River Plate , a jogar no estádio (o clube tem seu próprio campo). Quem costuma usá-lo é o Talleres, que está na terceira divisão do futebol argentino.

Vista geral do estádio Mário Kempes, antigo Olímpico de Córdoba
Marcel Rizzo
Vista geral do estádio Mário Kempes, antigo Olímpico de Córdoba