Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Segundo estatuto da Fifa, Thiago Motta não pode defender Itália

Questionada pelo iG sobre possível convocação de atleta para seleção italiana, entidade não se posicionou e recorreu a regulamento

Pedro Taveira, iG São Paulo |

Se o estatuto da Fifa for seguido à risca, Thiago Motta não poderá defender a seleção da Itália. O volante da Inter de Milão, que conversou recentemente com o treinador italiano Cesare Prandelli, tem sua convocação cogitada para o amistoso do dia 9 de fevereiro, contra a Alemanha. O problema é que Motta já atuou pelo Brasil na Copa Ouro da Concacaf em 2003.

Questionada pelo iG sobre o assunto, a entidade que rege o futebol mundial afirmou que “a Associação interessada deverá estar checar se a condição do jogador está de acordo com os parágrafos 1º e 2º do artigo 15 (leia abaixo) do estatuto”.

Apesar de não haver um posicionamento oficial, dá a entender que o volante não poderá jogar pela Itália por já ter participado de uma partida oficial de nível A (organizada pela Fifa ou por alguma Confederação continental, como é o caso da Concacaf).

Embora o Brasil tenha atuado com seu time sub 23 na Copa Ouro oito anos atrás, ponto no qual a Federação Italiana vem se apoiando, a competição era de nível principal, o que inviabiliza a mudança de nacionalidade de Motta. De toda forma, fica a expectativa acerca de um pronunciamento oficial da entidade e da convocação da seleção da Itália, marcada para o próximo domingo.

Veja o que diz o estatuto da Fifa sobre mudança de nacionalidade:

Artigo 15, parágrafo 1º - Qualquer pessoa mantendo uma permanente nacionalidade que não depende de sua residência em determinado país está apto a jogar pela seleção deste mesmo país; parágrafo 2º - Com exceção das condições especificadas no artigo 18 abaixo, qualquer jogador que já participou em uma partida (inteira ou apenas parte) em uma competição oficial de qualquer categoria por uma Associação não pode jogar um jogo internacional por uma equipe que represente outra Associação.

Artigo 18 - Se um jogador possui mais de uma nacionalidade, ou se adquiriu nova nacionalidade, ele pode, apenas uma vez, pedir para mudar a Associação pela qual está apto a jogar partidas internacionais para outra Associação, salvas as seguintes condições:
a) Ele não jogou uma partida (inteira ou parte) em uma competição oficial de nível internacional A por sua atual Associação, e, no período de sua primeira aparição em um jogo internacional, ele já tenha a nacionalidade do país que ele deseja defender.
b) Ele não é permitido jogar por sua nova Associação em qualquer competição que já tenha atuado por sua Associação anterior.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG