Jerome Valcke diz que país asiático levou o Mundial por ter "potencial financeiro" para "angariar apoio e fazer lobby"

Horas depois de sugerir que o Catar teria "comprado" membros da Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados) para ficar com a Copa do Mundo de 2022, o secretário-geral da entidade, Jerome Valcke, recuou nesta segunda-feira e disse que não insinuou qualquer atitude antiética por parte da candidatura catariana.

Inicialmente, Valcke havia confirmado informações divulgadas em um e-mail no qual sugeria a compra de votos pelo Catar, através do catariano Mohamed Bin Hammam, ex-candidato à presidência da Fifa . "Ele pensou que pode comprar a Fifa como eles compraram a WC [Copa do Mundo]", afirmara Valcke. O e-mail fora divulgado pelo vice-presidente da Fifa, Jack Warner, que foi suspenso no domingo , acusado de suborno

O secretário, porém, voltou atrás e disse que foi mal interpretado. Em sua defesa, ele afirmou que usou o verbo "comprar" para se referir ao alto investimento feito pela candidatura para fazer lobby em nome do Catar.

"Gostaria de esclarecer que usei no e-mail uma linguagem mais informal, que não costumo usar nas correspondências. Quando me referi à Copa do Mundo de 2022, o que quis dizer foi que a candidatura vencedora usou o seu potencial financeiro para angariar apoio e fazer lobby", explicou Valcke.

"Eles tinham um orçamento muito grande e se utilizaram disso para promover a candidatura do Catar por todo o mundo de uma maneira muito eficiente", afirmou o secretário, ao insistir que não fez "nenhuma referência à compra de votos ou qualquer comportamento antiético semelhante".

Logo após as novas declarações de Valcke, a candidatura do Catar reiterou que venceu a disputa pelo Mundial de forma lícita. "Catar 2022 nega categoricamente qualquer ação irregular em sua candidatura vitoriosa. Estamos buscando urgentemente um esclarecimento da Fifa sobre as declarações do secretário-geral. Também estamos buscando conselhos legais para avaliar as nossas opções [de resposta às insinuações de Valcke]", registrou a entidade do Catar responsável pela organização da Copa de 2022.

Ainda nesta segunda, Valcke assegurou que a Fifa não abriu nenhum procedimento para investigar as eleições que escolheram as próximas sedes da Copa do Mundo, de 2018 e 2022. Os pleitos, realizados em dezembro de 2010, se tornaram alvos de suspeitas depois que um jornal britânico publicou denúncias de compras de voto antes das eleições.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.