Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

São Paulo se esforça por Ricardo Oliveira, mas em 2010 atacante não fez a diferença

Desempenho do clube do Morumbi no Campeonato Brasileiro foi praticamente o mesmo com ou sem o jogador; na Libertadores ele marcou, mas não evitou eliminação

Levi Guimarães, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882500324&_c_=MiGComponente_C

Desde que o Campeonato Brasileiro acabou, uma das prioridades do São Paulo é garantir a permanência de Ricardo Oliveira, seja de forma permanente ou com a renovação do empréstimo junto ao Al-Jazira por seis meses ou um ano. Mas caso o atacante realmente siga no clube em 2011, terá de melhorar alguns números para justificar o esforço.

Apesar de ser considerado um dos principais jogadores do time, titular absoluto do técnico Paulo César Carpegiani, Ricardo Oliveira não fez a diferença em 2010. Ele chegou ao time durante o período de paralisação do Campeonato Brasileir, estreou na semifinal da Libertadores e, apesar de marcar um gol no jogo de volta contra o Internacional, não foi o suficiente para classificar o time à decisão do torneio.

No Brasileirão, as lesões atrapalharam e o atacante participou de apenas 15 partidas, marcando sete gols e fazendo duas assistências. O principal problema que enfrentou foi uma tendinite no joelho esquerdo, consequência da operação à qual o jogador foi submetido no local. Ao longo do segundo semestre foram, no mínimo, dez jogos perdidos por falta de condição física.

Com ele em campo, o São Paulo venceu seis jogos, empatou quatro e perdeu cinco, chegando a um aproveitamento de 48,9% dos pontos disputados. Nada muito diferente dos 48,25% de aproveitamento considerando-se todos os 38 jogos do time no campeonato.

Ricardo Oliveira terminou o ano como vice-artilheiro do time ao lado de Fernandão e Rogério Ceni, com oito gols cada. Dagoberto foi o principal marcado, com 15 gols. No Brasileirão, o artilheiro foi Fernandão, com oito, enquanto Oliveira e Dagoberto dividiram o segundo lugar com sete cada.

Na sexta-feira, o São Paulo ainda aguardava as informações trazidas por um emissário que foi aos Emirados Árabes negociar a renovação do atacante. No entanto, apesar do otimismo dos dirigentes são-paulinos, o presidente do Santos garante estar esperando que as duas partes não cheguem a um acordo para levar o atleta para a Vila Belmiro.

Leia tudo sobre: campeonato brasileirofutebolsão paulo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG