Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

São Paulo considera possibilidade de comprar Ricardo Oliveira

Diretoria ainda conta com a alternativa de empréstimo do atacante por mais seis meses ou um ano

Gazeta Esportiva |

O vice-presidente de futebol do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, chegou a falar do "caso Ricardo Oliveira" em tom pessimista. No entanto, o diretor de futebol João Paulo de Jesus Lopes não se cansa de dizer que está otimista por um desfecho positivo.

O clube do Morumbi enviou um emissário para conversar com a diretoria do Al Jazira, dos Emirados Árabes, clube que detém os direitos econômicos do atacante. O profissional já voltou ao Brasil e, segundo o dirigente, trouxe boas notícias. 

O grande problema seria a relutância dos árabes em emprestar novamente o jogador, já que ele está nos planos do técnico Abel Braga para a temporada que já está em andamento. Mas o clube paulista já considera a possibilidade de comprá-lo. 

"Continuamos otimistas. Há a possibilidade de contratá-lo em definitivo, mas não pelos números que estão sendo veiculados. Nossa conversa com os árabes foi bem amistosa e acho que eles aceitarão fazer negócio", declarou Jesus Lopes, à "Rádio Jovem Pan".

A informação negada pelo diretor é a de que o Al Jazira esteja cobrando R$ 16,8 milhões para liberar o jogador. O São Paulo está disposto a pagar uma quantia menor e pode envolver um atleta na negociação - o atacante Mazola, que disputou o Brasileirão pelo Guarani, é o mais cotado.

Mesmo considerando a possibilidade de compra, a diretoria do São Paulo ainda conta com a alternativa de empréstimo por mais seis meses ou um ano. "Acreditamos que vamos concluir essa negociação rapidamente. Conversei com o Ricardo e ele ficou feliz com a chance de permanecer", concluiu João Paulo.

O Santos, que demonstrou interesse público pelo futebol do atleta, já não fala com o mesmo entusiasmo de dias atrás. O presidente do clube praiano, Luis Álvaro de Oliveira, declarou que a concorrência com o São Paulo irritou o xeque Handam Bin Zayed Al-Nahyan, dono do Al Jazira, que agora estaria disposto apenas a vender o centroavante, de 30 anos.

Leia tudo sobre: mercado da bolasão paulo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG