Rhodolfo fará dupla inédita com Paulo Miranda ou Edson Silva. Defesa ainda terá o estreante Cortês

Até por opção de Emerson Leão , ainda reticente quanto a novas chances para João Filipe e suas aventuras no ataque, o São Paulo estreará neste domingo no Paulista, contra o Botafogo-SP, com Rhodolfo desentrosado ao lado de seu colega de setor, seja ele Paulo Miranda ou Edson Silva , ambos recém-contratados. Além disso, será necessário se adaptar ao desfalque de Rogério Ceni , uma das poucas "vozes de comando" em campo.

Leia também: "Ser improvisado na lateral atrapalhou minha carreira", diz Jean

Sem o goleiro, vetado por estiramento no ombro direito, o mais provável é que Luis Fabiano assuma a faixa de capitão e a incumbência de dar a palavra de incentivo na saída dos vestiários para o gramado no Morumbi - em 2011, Rhodolfo exerceu a função, contra o Vasco, mas porque o centroavante também era desfalque. A defesa, que terá outro estreante, Bruno Cortês , na lateral esquerda - Piris completa o setor, do outro lado -, precisará se virar para minimizar os prováveis problemas após 18 dias de pré-temporada.

"Tanto quando estou eu com o Rhodolfo ou o Paulo [Miranda] com o Rhodolfo, conversamos bastante para não ter dificuldade. Claro que estamos começando agora, em uma pré-temporada, mas precisamos nos entrosar rápido", comentou Edson Silva, mais cotado a ser titular por conta da lesão que impediu Paulo Miranda de treinar por três dias. E já está preocupado com a melhor forma física do adversário.

E ainda: Jadson se diz em casa e prevê assistências para Lucas e Luis Fabiano

"A dificuldade vai aparecer em certo momento do jogo. Precisaremos estar bem adaptados para compactar o meio-campo e chegarmos ao ataque para fazer gol", indicou Edson , disposto a ir além de suas funções na defesa. "O Leão treina várias situações de bola parada, e um dos meus pontos fortes e ir à área para marcar gol. Primeiramente, executarei meu papel lá atrás, mas também farei de tudo para ganhar dos zagueiros no ataque."

Na parte tática, Leão aposta nos trunfos que percebeu nos coletivos que já comandou. Embora nunca tenham jogado juntos, Bruno Cortês e Fernandinho demonstraram entrosamento na chegada ao ataque pela esquerda. E Edson Silva agradou com sua dinâmica para, ao lado de um volante, fazer a cobertura de ambos. Do outro lado, Piris e Rhodolfo já se conhecem.

Na questão motivacional, os escalados terão que se virar para suprir a ausência de Rogério Ceni. "Mas até quando o Rogério fala, todos falam. Quem decide o capitão é o Emerson Leão e ainda não sei quem será, mas a palavra no túnel vem de todos, com um incentivo e uma concentração que são muito importantes", apontou Denis, substituto do camisa 01.

E ainda: À espera do adeus de Ceni, São Paulo sonda goleiro da seleção Sub 20

Debaixo da meta, o reserva garante que dará conta do recado ao gritar para organizar seus defensores. E Edson Silva, mesmo admitindo ansiedade para sua estreia, promete atenção redobrada e seriedade permanente para não deixar a camisa "pesar". Assegura que ajudará até falando em campo.

"O Rogério tem uma voz de comando, é o capitão e o mais experiente. Mas todos os jogadores, com ou sem ele, têm a função de se comunicar. O zagueiro tem o perfil de organizar e não sou diferente. Eu, o Rhodolfo, o Paulo, o João Filipe, os volantes, todos precisam falar para que não aconteçam erros", recomendou o zagueiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.