Time foi punido por não impedir os acusados quando estes tentaram pressionar o árbitro da partida

A reação intempestiva de dirigentes e torcedores do São Caetano , que deram murros e pontapés na porta do vestiário do árbitro Guilherme Cereta de Lima, no empate em 1 a 1 com a Ponte Preta , em 8 de junho, pela quarta rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, não passou impune. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva multou em dois mil reais e ainda tirou um mando do clube.

O São Caetano foi enquadrado no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, por não impedir os acusados quando estes tentaram pressionar o árbitro da partida. A defesa do clube garantiu que as medidas repressivas foram tomadas.

"Não sei se houve chutes ou xingamentos, mas o próprio árbitro relata que o policiamento chegou. Punir o clube com perda de mando de campo é um exagero. Vamos recorrer", disse o advogado do São Caetano, Paulo Rubens.

Enquanto o novo recurso não é julgado, a punição está mantida. No entanto, sem tempo hábil, o Azulão joga a partida deste sábado, contra o Sport, no Anacleto Campanella e, a princípio, perderá o mando de campo da partida contra o ASA, na 12ª rodada da competição.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.