Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Sampaio fala grosso e pede fim da guerra de egos no Palmeiras

Ex-volante diz que vai caçar o X-9 e pede para diretores tirarem crachá por um time melhor

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

Pelo menos nas palavras, César Sampaio conseguiu rebater todas as críticas ao seu estilo de bonzinho e com pouco pulso para colocar o Palmeiras na rota das vitórias. Logo na sua apresentação, o ex-volante mostrou que ainda não sabe como discursar como dirigente, dando respostas evasivas, e falou grosso, prometendo caçar o X-9 (dedo-duro) do elenco e pedindo o fim da guerra de egos.

Veja como está a classificação do Campeonato Brasileiro desta temporada

Sampaio ainda falou que diretores e funcionários precisam tirar o crachá e entenderem que o sucesso de um significa o sucesso de todos e disse que formará um colegiado com o presidente Arnaldo Tirone e o vice-presidente Roberto Frizzo para tomar as decisões em conjunto com Luiz Felipe Scolari e sua comissão técnica.

O novo gerente de futebol ainda afirmou que acredita no atual elenco e que sabe que precisará contratar novos pilares para que o ano de 2012 seja completamente diferente do que aconteceu nesta temporada. Tudo, é claro, passando pela limitação financeira imposta pela condição do enfraquecido caixa palmeirense.

Gazeta Press
César Sampaio disse que dará bronca até em Felipão


Veja as melhores respostas de César Sampaio em entrevista coletiva nesta sexta:

Como é chegar no Palmeiras no meio desse turbilhão de problemas?
César Sampaio:
Cheguei em 1991, estávamos 16 anos na fila, em situação adversa, com muita insegurança e um cenário não muito diferente do de hoje. Nós jogadores abraçamos a causa, mostramos que era possível e, só assim, conseguimos sair daquela situação. Já tive três propostas para treinar o Palmeiras e esse meu período de preparação foi importantíssima. Posso colaborar na parte administrativa, na gestão, em estratégias, na admissão e na demissão e também na correção de rota.

Você sabia? Acerto de César Sampaio foi anunciado ainda nesta sexta-feira
 
Pensou em negar o convite com medo de queimar o passado?
César Sampaio:
Uma das condições que negociamos com a diretoria era poder ser ouvido nas ideias. Não que das outras vezes eu não tenha negociado, é que hoje tenho pontos de vistas mais claros. Não sou dono da verdade, nem mágico. O Palmeiras tem erros em todos departamentos, se não tivesse, não estaria onde está. O Vasco teve problemas com Roberto Dinamite, o Corinthians com o Andrés, e tudo foi equacionado. O mais importante é corrigir.

Você é um homem de confiança de Felipão?
César Sampaio:
Eu venho fazer o elo entre atletas e comissão, atletas e direção e direção e comissão. Por ter jogado no meio de campo muito tempo (risos) e ter atuado em grupos complicados, consigo transitar bem em todos os lados. Venci mais aqui, mas joguei nos quatro grandes. Neste momento o Palmeiras precisa de paz. Vim tentar trazer a paz, recuperar a confiança, tentar acabar com alguns ruídos de comunicação e tentar direcionar para que o clube possa terminar bem a competição. Eu acredito nos atletas e quero que eles acreditem neles mesmos.

Veja também: Felipão comanda planejamento de 2012 e anula Roberto Frizzo


Mas você vai ter liberdade para mandar? Quem dá a palavra final?
César Sampaio:
Vamos formar um colegiado. Eu, o presidente Tirone, o Frizzo, eu, o Galeano e a comissão. A diferença é que eu, o Galeano e a comissão, até pela nossa atuação, temos um banco de dados mais aprofundado em relação a contratação. O treinador direciona as contratações junto com o Galeano, nós aprovaremos ou não. A responsabilidade é nossa. Nunca tive problema com o Frizzo, mas tive uma relação meio superficial. Creio que ele vai me escutar. Temos um treinador campeão do mundo, ganhamos tudo aqui, Galeano é uma marca forte e nós queremos a mesma coisa. Temos que tirar o crachá do peito e trabalhar juntos. Esquecer essa guerra de egos que atrapalha muito.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time em tempo real

O Palmeiras tem um problema de conselheiro que fala tudo. Como lidar com isso?
César Sampaio:
Eu vou tomar cuidado, mas se tiver um X-9 aqui, ele vai vazar. Vou tomar cuidado com o que falar, mas temos que tomar algumas decisões. Se tiver o X-9 vai vazar. Essas informações que vazam servem só para prejudicar contratação, atrapalha a correção de rota e temos que ter cuidado. Não garanto que vai parar, mas se tiver, vai vazar.

Você indicou o atacante Jorge Préa, que não deu certo, e caiu com o Rio Claro. O que aconteceu?
César Sampaio:
Olha, eu aprendi abstante. Foi o osso que roemos. Comecei em 1998, com Guaratinguetá, e subimos. Depois, profissonalizamos a gestão do Figueirense. Vi que entender só de bola não ia dar e fui estudar. O Preá foi muito bem no Sul, eu indiquei, ele fez um gol salvador e acabou ficando. No Rio Claro, fui para a primeira e subimos sem um orçamento como a maioria. É muito difícil e acabamos caindo muito mais pela parte econômica mesmo. Agora estou aqui. Se as coisas estivessem bem aqui, eu não viria. Eu vim para corrigir.

Getty Images
César Sampaio marcou um dos gols na vitória por 2 a 1 em 1998


Como você vai usar sua identificação com o clube?
César Sampaio:
Vamos ajeitar o ambiente, fazer algo legal, poder transitar de área em área. Para que essas pessoas que não queiram abraçar a causa por causa da segurança, possam se sentir mais confortável. Eu sou palmeirense, minha identificação não vai mudar, mas se não tiver resultado, se eu não atender ao chefe, eu sei que estou fora. Tenho que conseguir sucesso além do que já tive dentro de campo.

Como usar o Marcos nessa renovação?
César Sampaio:
O Marcão, hoje ainda para o grupo, é a maior referência. Ficamos triste porque ele queria atuar, a gente vê o sacrifício, mas ele convive com algumas contusões. A voz dele, a presença dele, a influência dele, é algo que vamos precisar muito. Às vezes, por não estar jogando, fica com uma função não consegue comunicar bem, a gente vem até para passar isso. Ele é um dos pilares, assim como eu e Felipão.

Leia também: Frizzo era contra contratação de um gerente remunerado

Você disse que o Palmeiras não poder errar. O Palmeiras está pronto para não errar?
César Sampaio:
Não. Nós temos problemas econômicos. No meu ponto de vista, precisamos contratar jogador realidades, e as realidades são caras. Vamos ter que priorizar alguns nomes, algumas posições para minimizarmos os erros. Quanto mais contratar, mais chance de errar temos. Interessante é a cada ano corrigir a rota do que montar de novo. E isso passa pela categoria de base também.

As pessoas do Palmeiras estão preparadas para perder o crachá?
César Sampaio:
O que me faz pensar é o momento. É uma baita oportunidade. E as coisas só vão terminar bem em 2012. O norte das atuações, das conversas, é tudo o mesmo objetivo e esse é o nosso rumo. Se você quer emagrecer, mas acorda tarde, não caminha, come picanha e pizza, não adianta. Não tem como querer coisas diferentes fazendo a mesma coisa!

 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG