Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Roth diz que Guiñazu é meia e rejeita rótulo de defensivista

Treinador se mostra incomodado com as críticas e tem postura agressiva durante a entrevista coletiva

Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre |

A ironia foi muito usada pelo técnico Celso Roth na entrevista coletiva de terça-feira, antes do jogo diante do Jaguares. Pressionado pelo momento mais conturbado vivido no Inter desde a sua chegada, o treinador mudou o comportamento diante da imprensa e acabou sendo mais agressivo em algumas respostas.

“Quando sai o D´Alessandro temos que mudar a característica da equipe. Zé Roberto e Guiñazu tem características diferentes do D´Alessandro. Guiñazu jogava nesta função no Libertad. Era o quarto homem pela esquerda. Eu é que fui corajoso de ganhar a Libertadores com um volante que é meia. Eu, que sou defensivista, que estou colocando ele na sua posição original”, ironizou.

A irritação de Roth é por ter sido cobrado no empate diante do Emelec por ter usado 3 volantes: Wilson Matias, Bolatti e Guiñazu. O treinador, que quase sempre foi rotulado como defensivista, não gostou do fato e resolveu lembrar que Guiñazu era meia-atacante no início da carreira.

Porém, desde que chegou em Porto Alegre, em 2007, o jogador sempre exerceu a função de marcador. O site oficial do Inter define ele como “volante”, o site oficial do jogador tem como apresentação a frase “página oficial do volante colorado”. Em mais de 3 anos no Beira-Rio Guiñazu foi responsável por poucas assistências para gol. Raríssimos foram os gols marcados. O torcedor sempre se agradou do argentino pela raça em campo, a perseguição ao marcador, a correria incessante e os carrinhos para desarmar. Típicas funções de um camisa 5.

“Não acredito nisso. A torcida entende muito bem a filosofia do meu trabalho, eles estavam comigo no título da Libertadores ou já esquecemos disso? Aí vão buscar exemplos negativos. Estou gostando, está me chamando de senhor, está mantendo uma distância, ou não?”, respondeu, quando perguntado se achava que a torcida o perseguia. Roth ainda chacoteou pelo fato de o repórter ter lhe chamado de “senhor” durante a pergunta.

Desde que chegou ao Inter, em junho de 2010, Roth mostrou uma diferença significativa em relação ao seu histórico: O tratamento com a imprensa. O treinador quase sempre foi conhecido por não ter a melhor das relações com os repórteres. Porém, nesta terça acabou relembrando os velhos tempos.

Na questão seguinte mais deboches. Repórter: “Celso, vou falar mais sobre a sua área, que é a parte tática”. “Que bom, não?”, disse o técnico, interrompendo a pergunta. Repórter: “Foi possível perceber que você orientou e conversou muito no trabalho de agora de tarde”. (Nova interrupção), Roth: “É, no trabalho de ontem, de antes de ontem, de agora de tarde”.

Em meio a outra fala, mais ironias. Roth relembrou a preparação do clube para o Mundial de clubes e voltou a atacar a imprensa.

“Eu sempre dizia antes do Mundial que a principal preocupação era o primeiro jogo contra o Mazembe. E vocês devem lembrar, quando querem, né”, indagou.

O Inter repetirá nesta quarta contra o Jaguares quase o mesmo time que empatou com o Emelec. Apenas D´Alessandro, machucado, cede lugar a Cavenaghi. A escalação terá Lauro; Nei, Índio, Sorondo e Kléber; Wilson Matias, Bolatti, Guiñazu e Zé Roberto; Cavenaghi e Leandro Damião. Ainda estão relacionados Renan, Daniel, Rodrigo, Glaydson, Oscar, Andrezinho e Alecsandro.
 

Leia tudo sobre: InternacionalCelso Roth

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG