Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Ronaldo Torres recusou cargo de coordenador no Fluminense

Preparador deixa o clube porque Abel Braga irá trazer nova comissão técnica. Presidente lhe ofereceu cargo

Marcello Pires, iG Rio de Janeiro |

Após um ano e nove meses de trabalho, chegou ao fim a segunda passagem de Ronaldo Torres pelo Fluminense.  Apesar de chateado por ter de deixar para trás um grupo de jogadores que ele considera especial, Ronaldo agradeceu ao presidente Peter Siemsen e disse que sai em dívida com o atual campeão brasileiro.

O preparador físico deixa as Laranjeiras porque Abel Braga, o novo treinador, vai trazer sua própria comissão técnica.

Siga o iG Fluminense no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

O presidente Pete Siemsen teria oferecido ao preparador um cargo de coordenador da área. Ronaldo Torres disse ter recusado a proposta.

“O presidente foi muito legal comigo e me ofereceu um cargo de coordenador. Mas eu vou coordenar o quê? Os preparadores físicos do Abel Braga? Para mim seria muito conveniente, mas esse não é o meu perfil. Eu gosto de colocar a mão na massa. Amo o meu trabalho e não me contentaria em ficar só olhando e dando ordens para depois “roubar” o Fluminense no fim do mês. Quis evitar um constrangimento e o presidente me entendeu”, explicou o preparador físico, que também contou com o apoio do técnico interino Enderson Moreira, que lamentou sua saída.

Fiel escudeiro de Joel Santana por 13 anos, Ronaldo Torres já viveu o outro lado da moeda e entende perfeitamente a situação do clube. Separado do amigo desde 2008, quando Joel trocou o Flamengo pela seleção da África do Sul, Ronaldo não sabe se voltará a fazer dupla com o ex-treinador do Botafogo.

“A gente nunca sabe o que vai acontecer no futuro. Eu sou suspeito para falar do Joel. Ele é como um irmão, é padrinho de casamento da minha filha. Nossa relação vai muito além do futebol, é familiar. Mas depois que nos separamos eu tive a oportunidade de trabalhar com excelentes treinadores, como o Muricy Ramalho, o Cuca, o Caio Júnior e isso acrescentou muito na minha carreira. Hoje esses treinadores conhecem meu trabalho de perto e se tornaram meus amigos. Eu sei que daqui a pouco estarei num grande clube novamente fazendo sucesso”, disse Ronaldo Torres.

Por fim, o preparador fez questão de manter o bom ambiente. “Quero deixar claro que o clube não me mandou embora e eu não pedi demissão. Fizemos um acordo amigável e eu saio com as portas abertas. O Fluminense não me deve nada, eu que devo ao Fluminense pela oportunidade que tive de crescer profissionalmente. As dificuldades que o clube passou em 2009 e a conquista do Campeonato Brasileiro no ano passado valorizaram muito meu trabalho no cenário nacional’, afirmou o preparador, fundamental na arrancada contra o rebaixamento em 2009.

Leia tudo sobre: Campeonato Brasileiro 2011Fluminense

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG