Atacante acredita que companheiros sentem sua falta quando não joga e por isso quer companheiro para se revezar na referência do ataque

Ronaldo não quer ser o único salvador da pátria do Corinthians. Em conversa com o técnico Tite e o presidente Andrés Sanchez, o atacante disse que não quer que o time dependa tanto dele, como ficou evidente quando ele foi substituído ainda no primeiro tempo da partida contra o Vitória, em Salvador, dia 21. Vencendo por 1 a 0, time caiu de produção, sofreu o empate, e não teve forças para buscar o resultado positivo.

Conversei depois com o Tite e com o presidente que realmente eu sinto que o time depende muito de mim. Minha presença fortalece o time, mas uma vez que não estou em campo isso não teria de se tornar um problema, disse Ronaldo que pediu pela chegada de um jogador para dividir a responsabilidade de ser a referência de ataque.

Nós teríamos de ver isso para o ano que vem. Temos a Libertadores e outros jogos importantes. O Corinthians precisa ser forte, ter um grupo forte. Eu não vou jogar todos os jogos e a gente pra atender a expectativa do torcedor, disse Ronaldo.

Com o Fenômeno em campo o Corinthians ainda não perdeu no Brasileirão. Foram 10 partidas, com seis vitórias e quatro empate. Ele marcou seis gols. Depois do seu retorno na metade final do segundo turno, contra o Guarani, o time saiu da série negativa de sete jogos sem vitória e não perdeu mais nas sete partidas seguintes em que participou antesde se machucar contra o Vitória.

Mesmo estando de fora de mais de dois terços dos jogos, Ronaldo reconhece sua influência no grupo, mas não quer ser a única referência. Eu sou um só. O que eu faço aqui é passar minha experiência, minhas idéias e as pessoas seguem ou não. Não mando em nada, não mando nem na minha casa, que dirá no Corinthians, disse o camisa 9.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.