Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Ronaldinho Gaúcho mostra vontade e falta de ritmo na estreia

Torcida faz mosaico com dizeres "Bem-vindo R10", mas jogador não consegue gol ou lances brilhantes em seu primeiro jogo pelo Fla

Vicente Seda, iG Rio de Janeiro |

Mesmo longe do ritmo ideal, Ronaldinho Gaúcho jogou 90 minutos e fez a alegria dos torcedores no Engenhão com alguns bons passes e mostrando vontade no seu primeiro jogo com a camisa do Flamengo. Sem ser brilhante, chamou o jogo, cobrou faltas, escanteios e até lateral, ajudando também na marcação dos defensores do Nova Iguaçu.

A cada toque de calcanhar, aplausos, que também serviram para amenizar os muitos erros do camisa 10 na partida. Como a bandeira feita em homenagem ao craque, nos mesmos moldes da recepção a Adriano, a estreia de Ronaldinho deixou claro que precisará de mais gás para superar as barreiras. O craque vibrou muito com o gol da vitória, de Wanderley e, no fim, ficou sozinho no gramado para reverenciar a torcida.

"Desde que cheguei aqui o Flamengo só vence. Sou pé-quente. Magia não se apaga, tem momentos que brilha mais, outro que brilha menos, mas isso não se apaga", disse Ronaldinho ao deixar o gramado, já com a arquibancada quase vazia. Mesmo assim, ainda desceu para o vestiário com seu nome gritado por quem permaneceu.


Thales Soares, iG Rio de Janeiro
Torcida do Flamengo fez mosaico para a estreia Ronaldinho Gaúcho no Engenhão

Com muita festa, e um mosaico na parte superior do Engenhão dizendo “bem-vindo R10”, Ronaldinho Gaúcho foi o último dos jogadores a entrar em campo saltitante. Na parte lateral da arquibancada, uma das organizadas trouxe diversas bandeiras com o rosto do jogador, que acenou para agradecer. O time posou para uma foto oficial, Ronaldinho, com a faixa de capitão que normalmente é usada por Leonardo Moura, também fez pose ao lado do árbitro da partida, Wagner Magalhães, e do capitão do Nova Iguaçu, Marquinhos, que completou 100 jogos pelo clube e, por isso, usou este número na camisa.

Bandeira com o rosto de Ronaldinho não sobe e rasga

Vicente Seda, iG Rio de Janeiro
Bandeira de Ronaldinho, que deveria ultrapassar a cobertura do Engenhão com balões de gás, caiu na arquibancada e rasgou
Não houve uma música especial para a estreia de Gaúcho e a trilha sonora escolhida foi a mesma de sua apresentação: “Ih, Thiago Neves está aí, o Adriano vai voltar, jogar no Grêmio é o c..., o Ronaldinho é do Fla”. Apesar da empolgação, a bandeira de material leve com balões de gás para ser alçada sobre a cobertura do Engenhão, da mesma forma que foi feito para Adriano, acabou não tendo força para subir. Caiu na arquibancada e acabou rasgando.

Ronaldinho começou o jogo correndo, procurando até cercar a saída de bola dos defensores do Nova Iguaçu. O primeiro toque contato com a bola foi aos dois minutos, em passe de Renato. Ronaldinho tentou achar Deivid no ataque, mas errou. A cada toque na bola a torcida vibrava e, aos quatro minutos, houve quem gritasse “uh” numa disputa de bola em que o jogador tentou, mas não conseguiu, dar um lençol no rival. Um minuto depois, ele teve a primeira chance de cobrar uma falta, mas acabou jogando nas mãos do goleiro. Aos seis minutos, o camisa 10 fez sua primeira falta na partida.

Jogada característica não surte efeito
Aos oito minutos, nova falta para Ronaldinho cobrar, desta vez quase na lateral do campo. Um cruzamento venenoso, que a zaga do Nova Iguaçu cortou como pôde, mas acabou criando o lance mais perigoso até então. Em contra-ataque veloz, Alex Faria desperdiçou cara a cara com Felipe. Dois minutos depois, Ronaldinho conseguiu a primeira roubada de bola no meio. Em seguida, porém, abusou. Tentou dar o seu passe característico, virando a cabeça para o outro lado, e deu nos pés dos adversários.

Aos 12 minutos, o meia mostrou disposição e correu até o fundo para buscar a bola espalmada pelo goleiro do Nova Iguaçu em chute de Deivid. Cobrou o lateral e pouco depois recebeu no meio de Renato. Tentou levantar para Thiago Neves na área, mas a zaga cortou. O camisa 7, contudo, aplaudiu. Gesticulando bastante, Ronaldinho procurava se entender com os novos companheiros de time. Em nova cobrança de falta, aos 15 minutos, achou David sozinho na pequena área, mas a cabeçada foi para fora e houve impedimento.

Quatro minutos depois Ronaldinho pediu bola na frente, ensaiou um drible, limpou para o lado e, na hora de inverter o jogo, mais uma vez bola para o Nova Iguaçu. Apesar da vontade, a falta de ritmo do craque era evidente. Com 20 minutos, parada técnica. Ronaldinho, além de beber água, pareceu concentrado nas orientações de Vanderlei Luxemburgo. Ficou ao lado do técnico. Voltou a campo conversando com Renato.

Vicente Seda, iG Rio de Janeiro
Organizada levou diversas bandeiras com a imagem de Ronaldinho Gaúcho
A primeira grande jogada foi aos 23 minutos. Ronaldinho recebeu na entrada da área e deu de calcanhar para Deivid, que devolveu e recebeu mais uma vez, mas abriu para Renato, que vinha em velocidade, soltar a bomba para fora. Quando Thiago Neves fez uma falta próxima à linha de fundo, Ronaldinho, no papel de capitão, não se furtou a reclamar com o árbitro. Após a rebatida da zaga flamenguista, o camisa 10 tentou um belo lançamento para Vander, que estava impedido no ataque. Pouco depois, Ronaldinho recebeu na lateral esquerda, balançou o corpo, mas errou o passe. Foi suficiente para animar a torcida, que aplaudiu.

Cobrança de falta com perigo
Aos 35 minutos, Ronaldinho sofreu falta na intermediária e pegou a bola para bater, sem tomar distância. Tentou o chute direto, mas mandou em cima da barreira. Quando marcou impedimento do jogador no lance seguinte, a auxiliar Andréa de Sá foi xingada em coro pela torcida, que esperava um drible num curto espaço na lateral. Aos 39 minutos, outra falta na intermediária. Ronaldinho de novo pegou a bola, mas a torcida gritou por Renato. Os dois se posicionaram para a cobrança, que mais uma vez foi feita pelo camisa 10, para bela defesa do goleiro Diogo Silva. Encerrado o primeiro tempo, Ronaldinho foi um dos primeiros a deixar o gramado, concedendo rápidas entrevistas para a TV.

Ronaldinho voltou caminhando calmamente para o segundo tempo, conversou com alguns companheiros e partiu para o círculo central. Iniciou a etapa da mesma forma, correndo e procurando cercar a saída de bola do Nova Iguaçu. A torcida, contudo, já começava a dar sinais de impaciência com o 0 a 0. Logo aos quatro minutos, Ronaldinho achou Deivid em belo passe, mas o atacante não conseguiu completar e a arquibancada protestou. O atacante foi muito vaiado ao ser substituído por Wanderley.

Ronaldinho vibra muito no gol de Wanderley

Na nova parada técnica, Ronaldinho mais uma vez se mostrou atento e parou, no fim, para conversar sozinho com Luxemburgo. Aos 23 minutos, ele arriscou um chute da entrada da área, mas Diogo Silva fez boa defesa. A torcida passou a cantar sem parar e Ronaldinho, em resposta, tentou boa jogada pela linha de fundo, mas a zaga do Nova Iguaçu cortou bem o cruzamento. Já dando sinais de cansaço, Ronaldinho passou a ficar mais fixo na frente, sem recuar para buscar jogo. Aos 34 minutos, grande chance para o craque, que recebeu de Wanderley na área, girou, e deixou para Thiago Neves bater por cima do gol.

Flamenguistas festejam eliminação do Corinthians e xingam Ronaldo
O anúncio do segundo gol do Tolima na Colômbia, eliminando o Corinthians de Ronaldo da Libertadores, foi motivo de festa na arquibancada. Como ocorreu na Libertadores do ano passado, quando Flamengo e Corinthians se enfrentaram nas oitavas de final, a torcida gritou: “Para que eu quero esse gordo?”, referindo-se ao camisa 9 paulista.

Ronaldinho vibra e faz reverência para a torcida
Aos 40 minutos, Léo Moura sofreu falta quase na linha da área, pelo lado direito. Ronaldinho se apresentou para cobrar e, mesmo tentando o cruzamento, por pouco não acertou a rede. No fim, o êxtase. O gol de Wanderley fez Ronaldinho correr e vibrar com a torcida, voltando ao gramado abraçado com o companheiro. No fim do jogo, mais um abraço no autor do gol da vitória, muito festejado pelos companheiros. Na festa de Ronaldinho, quem teve o nome gritado ao apito final foi Wanderley. Ronaldinho ficou sozinho no campo quando todos se dirigiram ao vestiário, fez várias reverências à torcida e foi ovacionado, antes de ser cercado por um batalhão de jornalistas.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG