Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Ronaldinho Gaúcho estreia, Flamengo comemora e Traffic fatura

Conheça os números da parceria que possibilitou a contratação. Empresa pode abocanhar até R$ 8 milhões do novo patrocínio

Vicente Seda, iG Rio de Janeiro |

Longe de ser um clube com as finanças em dia, com uma estrutura ideal e credibilidade para não depender de garantias de terceiros no mercado, o Flamengo se apoiou em uma parceria para suprir a ausência destes predicados e vencer a disputa por Ronaldinho Gaúcho. Ele também interessava a Grêmio e Palmeiras, curiosamente outros parceiros da Traffic, a aliada de Patrícia Amorim na investida. O atleta entrará em campo pelo Flamengo pela primeira vez nesta quarta-feira, contra o Nova Iguaçu, no Engenhão, pelo Campeonato Carioca.

Peça fundamental na negociação, a Traffic começa a recuperar o que gastou. Passa a negociar todos os patrocínios de uniforme do Flamengo, com uma taxa de agência: 20% do valor total dos contratos. Os R$ 8,5 milhões anuais da BMG, já renovados em 2010, não renderão lucro para a empresa neste ano, mas a iminência do acerto com um novo patrocinador para o espaço principal do uniforme por si só já explica o interesse no negócio.

A Batavo foi exposta pela última vez no Flamengo x Vasco deste domingo. Dará lugar, somente no próximo jogo, estreia de Ronaldinho Gaúcho, à operadora de crédito Visa e à fabricante de máquinas de cobrança para cartões de débito e crédito Cielo, num total de R$ 900 mil por apenas uma partida. A Visa, que entrou com R$ 600 mil, terá o espaço principal neste jogo, enquanto a Cielo terá sua marca na penúltima faixa do uniforme listrado. A Traffic fica com R$ 180 mil (20% do total) e tenta concluir, o quanto antes, as conversas com os interessados em ser o patrocinador principal do clube em 2011. Um deles é a Hypermarcas, mas as tratativas ainda estão em estágio incial.

Vipcomm
Deivid comemora gol contra o Vasco. Batavo fez seu último jogo na camisa do Flamengo

Clube tem patamar de patrocínio. Excedente é dividido
Para o espaço central da camisa, espera-se no departamento de marketing do clube atingir a marca de R$ 35 milhões. De acordo com uma pessoa que participa da parceria, o Flamengo estabeleceu para si um patamar mínimo de R$ 30 milhões (R$ 8 milhões a mais do que o valor total do contrato de 2010 com a Batavo, de R$ 22 milhões).

Se o valor do patrocínio ultrapassar R$ 30 milhões, o excedente será dividido da seguinte forma: considerando que sejam obtidos os R$ 35 milhões pretendidos pelo marketing do Flamengo, o clube ficaria com apenas 30% dos R$ 5 milhões que excedem o patamar, ou R$ 1,5 milhão; Ronaldinho abocanharia 50%, ou R$ 2,5 milhões; e a Traffic levaria 20%, R$ 1 milhão, o que seria um bônus por meta, somado aos R$ 7 milhões sobre o total do contrato a que tem direito a título de taxa de agência.

Vipcomm
Ronaldinho: estreia será nesta quarta

Ou seja: para a empresa que deu garantias do pagamento de 4 milhões de euros ao Milan (R$ 9,1 milhões, convertidos pelo índice do Bacen de sábado), e aporta R$ 750 mil mensais de salário ao jogador, boa parte do retorno (R$ 8 milhões) do investimento pode ser imediato, e o compromisso é por quatro anos. Do próprio bolso, o Flamengo paga R$ 250 mil por mês a Ronaldinho Gaúcho. É menos do que pagava a Diogo, dispensado (R$ 270 mil, incluindo as luvas de contrato).

Em uma conta simples, considerando apenas a receita proveniente do patrocinador principal e mantendo o valor em R$ 35 milhões por cada uma das quatro temporadas do contrato, a Traffic pode arrecadar R$ 32 milhões até o fim de 2014 somente agenciando esta cota de patrocínio. Como ainda haverá receitas das negociações para a manga dos uniformes (a partir de 2012) e possivelmente de um novo espaço publicitário a ser criado (short ou parte inferior da camisa), além de ações de marketing e lançamentos de produtos oficiais do Flamengo envolvendo Ronaldinho, o lucro da Traffic tende a crescer.

Traffic tem ingerência sobre decisões envolvendo Ronaldinho
“O contrato é ótimo, bom para todo mundo”, analisou o vice-presidente de marketing, Henrique Brandão, sem confirmar ou desmentir os números: “O contato começou no meio de ano passado, com o Milan, mas não havia possibilidade naquele momento. E agora no início do ano a oportunidade surgiu de novo. A gente já sabia da vontade dele de voltar ao Brasil. Foi uma parceria. Tudo que envolver Ronaldinho e Flamengo tem que passar também pela Traffic. Não há uma autonomia absoluta de uma das partes. Mas como tudo foi muito positivo, não há porque achar que haverá algum problema nisso. É uma tomada de decisão em conjunto”.

Brandão explicou que nem Ronaldinho, nem a Traffic, ficaram com royalties da camisa oficial. “Mas se for feita uma camisa do Ronaldinho, por exemplo, aí sim isso pode ser negociado. Mas a camisa oficial é do clube”. A multa rescisória do novo camisa 10 da Gávea, com vínculo até dezembro de 2014, chega a R$ 400 milhões.

 

Leia tudo sobre: flamengoronaldinhotraffic

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG