Ex-atacante fez sucesso no Barcelona entre 1993 e 1995 e agora quer que seu filho repita sua trajetória

Filho de Romário joga no time sub 18 do Vasco
Futura Press
Filho de Romário joga no time sub 18 do Vasco
Embora tenha marcado gol, Romarinho, filho de Romário, foi reserva do Vasco eliminado na primeira fase da última Copa São Paulo de Futebol Júnior. Mas ganhará uma ajuda do pai para já seguir para o Barcelona . O ex-atacante promete falar com o técnico Pep Guardiola para levar seu herdeiro ao atual campeão mundial.

"Vou tentar levar meu filho para jogar no Barcelona. Nesta semana falarei com o presidente [do Barcelona, Sandro Rosell] e o Pep", falou o Baixinho ao jornal espanhol El País , em entrevista na qual encheu o time catalão de elogios.

Veja mais:  Ibrahimovic enche a bola de Guardiola, mas apenas como técnico

"O Barcelona demonstra a cada dia que está em um nível ao qual nenhum outro clube do mundo chegará. Se eu tivesse que voltar a jogar profissionalmente, não teria nenhuma dúvida: seria no Barcelona", disse o ex-atacante, mostrando saudosismo ao falar de sua passagem pelo clube, entre 1993 e 1995.

"Depois da seleção brasileira , o Barcelona significou tudo para mim no futebol. Sou quem sou graças ao Barcelona, que me abriu portas para ser o melhor jogador do mundo, o melhor jogador da Europa, ganhar a Bola de Ouro, ser o artilheiro da Liga Espanhola, campeão espanhol", comentou.

O ex-jogador ainda lembrou de sua relação com o holandês Johann Cruyff, seu técnico no Barça, e ex-colegas famosos como o húngaro Stoichkov e o próprio Guardiola. "Cruyff, Stoichkov, Pep... Realmente sempre me dei bem com quase todos, como também tive problemas com quase todos... Mas tudo foi resolvido porque meus problemas não são falar pelas costas."

Apesar de tantas exaltações, o atual deputado federal trocou o Barcelona pelo Flamengo em 1995, pouco depois de ter sido eleito pela Fifa o melhor jogador do mundo. E ainda voltou à Espanha em 1997 para defender o Valencia. "Eu tinha saudades do Brasil. Depois da Copa do Mundo [de 1994], senti o carinho dos brasileiros e queria dar alegria ao meu povo", justificou ao El País .

Acompanhe:  Barcelona espera que Guardiola renove já na próxima semana

Na entrevista ao jornal espanhol, Romário também exaltou suas atuações como político, reforçando suas críticas à organização da Copa do Mundo de 2014. "O Mundial não será nenhum êxito em nenhuma cidade. Funcionará, mas não funcionará bem. Só os ricos ficarão maravilhados com o campeonato", avisou, falando de si como deputado.

"Tenho meu nome, não necessito da política. Meus acertos são minha obrigação. Mas qualquer erro, por menor que seja, pode colocar por terra minha trajetória", comentou. "Minha ideologia política se resume à qualidade de vida para todos e igualdade de direitos. Eu gostaria de ouvir: 'ele foi bom no futebol e na política'", completou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.