Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Romário diz que Messi precisa ganhar uma Copa do Mundo

Campeão do mundo em 94, ex-atacante acha que “Baixinho” da Argentina ainda não se equipara a Maradona

Marcel Rizzo e Paulo Passos, enviados iG a Goiânia |

Eleito deputado federal com quase 150 mil votos pelo PSB do Rio de Janeiro, Romário ainda sente-se mais à vontade falando sobre futebol do que sobre política. Apesar de ter convidado Ricardo Teixeira , o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e do COL (Comitê Organizador Local), para explicar o aumento nos custos da Copa do Mundo de 2014 , o ex-atacante entra em dividida apenas sobre o assunto bola.

Getty Images
Romários no PSV. Apesar de ser carrasco, atacante admitiu que gosta da seleção holandesa
Por exemplo: o argentino Messi , do Barcelona , ainda não é mais jogador nem do que Maradona. “Sempre quando surge um jogador diferente, como é o caso do Messi, se compara ao Pelé, o maior de todos. Acho um jogador diferenciado, mas precisa ganhar uma Copa do Mundo. A Argentina não foi bem na África (Copa de 2010), ele não foi bem. Ele precisa ganhar uma Copa para se igualar ao Maradona”, disse Romário, que venceu o Mundial de 1994, nos EUA. Em julho, Messi comandará a Argentina na Copa América dentro de casa.

Romário parabenizou a CBF por realizar um jogo de despedida para Ronaldo, “o melhor atacante do Brasil, depois dele, é claro”. Coincidentemente, o “Baixinho” deu adeus com a camisa da seleção brasileira no mesmo Pacaembu, em abril de 2005, contra a Guatemala. Ronaldo jogará por poucos minutos na terça-feira, 21h50 (horário de Brasília), e o rival será a Romênia.

“Eu fiquei feliz que o Ronaldo terá esse jogo, é difícil decidir a hora de parar. Foi uma honra jogar ao lado dele na seleção e acho que foi o melhor atacante do Brasil, depois de mim”, disse, com sorrisinho no rosto o ex-jogador, que só encerrou a carreira com 42 anos, em 2008.

Holanda
Romário participou de um evento para crianças com deficiência no interior de Goiás e falou com a imprensa nesta sexta-feira no hotel no qual a seleção brasileira está hospedada em Goiânia, mas não verá o amistoso contra a Holanda neste sábado, 16h10, no Serra Dourada.

Jogador do PSV Eindhoven no final dos anos 80 e início dos 90, Romário contou que torce pela seleção holandesa quando o Brasil não está em campo. “A Holanda sempre dá trabalho para o Brasil, em 94 foi nosso grande jogo. É legal que o Brasil enfrente a Holanda pouco depois de ser eliminado de uma Copa e possa vencer”, disse o jogador, que marcou um gol na vitória de 3 a 2 em 1994, em Dallas (EUA), pelas quartas de final da Copa do Mundo.

Leia tudo sobre: Futebol MundialBarcelonaMessiArgentinaSeleção

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG