Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Romântico, Tartá afirma que está à procura de um amor

Apesar de fazer sucesso com a mulherada, atacante quer encontrar sua musa inspiradora e construir uma família.

Marcello Pires, enviado iG a Mangaratiba |

Com a saída de Fernando Henrique para o Ceará após nove temporadas, Fernando Bob e Tartá se tornaram os únicos remanescentes de Xerém no elenco do Fluminense. Companheiros desde o infantil, o volante e o atacante dividem o mesmo quarto nas concentrações, estão sempre juntos fora campo e não se desgrudam nem na hora de dar entrevistas. Inseparáveis, as gozações fazem parte do dia a dia da dupla e já não incomodam mais, tanto que até uma campanha “procura-se uma namorada para Tartá” foi apoiada por Fernando Bob na base da provocação.

 

Comprometido há cinco anos com Taiane, o volante afirma que vai parar de enrolar a namorada e se casar até o meio do ano. Fernando Bob reclama que Tartá não o deixa em paz nem na hora de acordar e quer brincar o tempo todo, mas também não perde uma chance de pilhar o amigo, que admite estar à procura de um amor.

 

“Estou em busca de uma namorada. Uma musa inspiradora. Quero construir uma história de amor. Espero que apareça alguém legal na minha vida”, admite o romântico Tartá, que tem o apoio do amigo mas que não pode contar muito com sua ajuda.

 

"Eu torço por ele, mas no quesito mulher não tenho como ajudar porque namoro há cinco anos", esquivou-se o volante.

 

Mas apesar de estar à procura de sua alma gêmea, o atacante afirma que sempre fez sucesso com as mulheres. Pelo menos é o que ele ouve falar por aí.

 

“Cara, tá difícil encontrar uma pessoa maneira, mas eu estou com moral com as mulheres. Elas dizem que sou fofo, que pareço um chicabon”, disse o atacante, arrancando gargalhadas da imprensa.

 

Romântico ou brincalhão, o fato é que Tartá sabe que pode encontrar a pessoa certa nos lugares mais inusitados possíveis.

 

“Isso é uma coisa mágica. Ela pode estar em qualquer lugar. Na padaria, numa pizzaria. É entregar nas mãos de Deus e esperar ela aparecer”, filosofou Tartá.

 

Se o romantismo parece ser um dos pontos fortes de Tartá, o medo do mar é um dos maiores receios do atacante. E até nessa hora o atacante valorizou a amizade com o companheiro de Xerém quando foi perguntado se preferia praia ou piscina.

 

“Piscina, tenho medo de praia. Aqui não que o mar é manso, mas tenho medo das ondas grandes. Não dou chance para o azar. Mas acho que o Bob arriscaria a vida para me salvar. Ele é criado em São Pedro, praiano, e sabe nadar bem”, brincou Tartá.


 

Leia tudo sobre: FluminenseTartáFernando Bob

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG