Atacante não participou de primeira partida contra o Paraguai e fechou a cara. Agora mudou até o visual e está mais leve

De visual novo, Robinho disse estar mais leve. Ele rapou o cabelo – corte feito por Neymar e André Santos - que misturava estilos (Neymar com Pelé?) e voltou ao time titular na vitória de 4 a 2 contra o Equador, depois de ter amargado o banco de reservas contra os paraguaios. Foram três dias entre as partidas, na semana passada, que o animado jogador esteve de cara emburrada, para baixo, sem fazer brincadeiras...

“Jogador que gosta de reserva não merece estar na seleção brasileira”, disse Robinho, que está entre os titulares na partida deste domingo, 16h em La Plata, novamente contra o Paraguai, pelas quartas de final da Copa América. “Eu não gostou de ficar no banco, mas respeito o Mano Menezes e o jogador que entra no meu lugar, no caso o Jadson . Fiquei sério, mais quieto por causa disso, mas agora está bem. Tudo passa”, disse o camisa 7.

Robinho e seu cabelo
Gazeta Press
Robinho e seu cabelo "pesado" antes de ser cortado por Neymar e André Santos

Mano optou por voltar a escalar Robinho em uma posição diferente: mais recuado e próximo de Paulo Henrique Ganso , o jogador será mais um meia atacante do que um ponta, como jogou contra a Venezuela no empate por 0 a 0 na estréia. Ele gostou:

“Eu me senti à vontade contra o Equador, acho que consegui render bem, participei de gols. Não estou preocupado por não estar fazendo gols, uma hora o gol sai”, disse o atacante, que nunca marcou na era Mano Menezes, em nove jogos. Na última Copa América, por exemplo, ele foi o artilheiro da competição, vencida pelo Brasil na Venezuela, com seis gols – seu último gol foi na eliminação para a Holanda, nas quartas de final da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.

Rei do riso
Robinho e seu cabelo
Gazeta Press
Robinho e seu cabelo "pesado" antes de ser cortado por Neymar e André Santos
Aos 26 anos, Robinho ainda tem estilo de garoto, mas é o mais experiente do setor ofensivo. Quem vê o jogador chegando para dar entrevista no hotel no qual a seleção brasileira está concentrada em Los Cardales (a 60 km de Buenos Aires), na tarde deste sábado, pensa estar na frente de mais um dos moleques ousados: boné para trás, com seu nome escrito ao lado de patrocinadores em comum com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol), chinelo com meia e bermuda no frio de 10 graus.

“Tento orientar sim os mais novos, mas eles já têm espírito de seleção, estão bem preparados. São grandes jogadores”, disse Robinho. Ele comentou a cobrança do capitão e zagueiro Lúcio, que na segunda-feira, antes da vaga assegurada contra o Equador, criticou alguns jogadores, sem dar nome, de que falta seriedade na seleção.

“Temos que ouvir o Lúcio, o mais experiente (com 33 anos), mas acho que se foi para os garotos, eles têm responsabilidade. Todos sabem o que é defender a seleção”, afirmou o jogador do Milan.

Já sem a tristeza de estar no banco, Robinho tirou o boné por um minuto para mostrar o corte novo, mas com estilo antigo, daquele do garoto que começou no Santos em 2002. “Estava pesado aquele cabelo, agora estou mais leve. Deu sorte essa mudança”, finalizou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.