Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Rivais no Gre-Nal, Renato Gaúcho tentou salvar Falcão na seleção

Para evitar dispensa de Bebeto, gremista colocou a vaga de titular à disposição quando Falcão era técnico

Gabriel Cardoso, Hector Werlang e Paulo Passos, iG Esporte |

Há duas décadas, Falcão e Renato Gaúcho estavam em Porto Alegre. Mas, ao contrário deste domingo, quando serão rivais no clássico Gre-Nal, eles eram patrão e chefe, técnico e atacante. O hoje treinador do Inter vivia uma fase conturbada à frente da seleção brasileira e, na capital gaúcha, preparava o time que disputaria a Copa América no Chile. O gremista, na época no Botafogo, se recuperava de uma lesão e disputava vaga com o amigo Bebeto, que vivia a mesma situação.

Gazeta Press
Falcão foi técnico da seleção brasileira de 90 a 91
Após o primeiro treinamento no Beira-Rio, Falcão foi jantar em casa, na zona sul de Porto Alegre . Ao voltar ao hotel onde o time estava concentrado, recebeu um aviso do então diretor de comunicação da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Vital Bataglia: teria um problema. Bebeto, que voltava de lesão, havia dito que pediria dispensa se não fosse titular.

Seria a segunda baixa no time. Romário já havia pedido para não jogar o torneio. A seleção vivia um momento conturbado, de renovação, com dificuldade para chamar os craques da época, que atuavam na Europa. Para piorar, os resultados de Falcão até aquele momento eram medíocres. Até a Copa América, Falcão havia comandado o time em nove amistosos. Venceu dois, empatou seis e perdeu um.

“Depois de ouvir o Bebeto, Falcão chamou os demais jogadores para uma conversa na sala de conferências do Beira-Rio”, lembra Vital Bataglia, “e contou o que estava acontecendo, que o Bebeto exigia ser titular”.

Segundo o jornalista, Renato Gaúcho, que havia sido escalado no time titular, pediu a palavra. “Ele falou: ‘acho o Bebeto um cara fantástico, que precisa estar com a gente. Se o problema é esse, dou meu lugar’”, disse Vital.

Perguntado sobre o episódio, Renato disse não se lembrar. “Então não tenho o que comentar. O Bebeto é meu amigo até hoje”, disse ao iG o técnico do Grêmio.

Mesmo com o apelo do técnico gremista, a atitude de Bebeto não foi bem vista pelos demais jogadores, nem aceita por Falcão. Sem a garantia de começar a Copa América como titular, o atacante pediu dispensa.

“Acho que o Bebeto acabou sendo afobado. Eu tinha convicção no talento dele, que ele ia acabar jogando no time titular. Apesar de confiar, não tinha como garantir para ele a vaga no time antes. Ele foi afobado, ia acabar jogando”, afirmou Falcão ao iG. O técnico do Internacional diz que a conversa com o atacante “foi franca, de alto nível” e que até hoje mantém boa relação com ele.
AE
Jogador de Falcão, Renato chegou a abir mão da titularidade para evitar dispensa de Bebeto


Sem Bebeto, Falcão escalou Renato Gaúcho e Careca Bianchezzi, do Palmeiras, nos primeiros jogos da Copa América. Depois, ainda tentou João Paulo, na época no Bari, da Itália, e Sílvio, do Bragantino.

Na primeira fase do torneio, o Brasil venceu Bolívia e Equador, empatou com o Uruguai e perdeu para a Colômbia. Depois, perdeu para a Argentina, que levou o título. Vice-campeão, derrotado pelo maior rival e questionado, Falcão foi demitido do cargo, encerrando sua passagem de menos de um ano na seleção brasileira.

 

Leia tudo sobre: InternacionalGrêmioFalcãoRenato Gaúcho

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG