De acordo com o volante atleticano, ele tem sete vitórias e apenas uma derrota no confronto com o irmão

Quase um ano depois do último confronto, os irmãos Richarlyson e Alecsandro vão se encontrar novamente no campo de futebol. Agora no Atlético-MG e no Vasco , respectivamente, o volante espera que o retrospecto seja mantido, com mais vitórias para o jogador atleticano. O próprio Alecsandro admite que tem mais derrotas para o irmão caçula , mas não fala em números.

Siga o Twitter do iG Atlético-MG e receba notícias do time em tempo real

De acordo com Richarlyson, são sete vitórias contra apenas uma derrota, exatamente na última partida do confronto particular entre os integrantes da família Felisbino. Com gol de Giuliano o Internacional venceu o São Paulo por 1 a 0, no Beira-Rio, em 27 de julho do ano passado, em jogo pela semifinal da Libertadores.

Siga o iG Vasco no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

“Ele fica P da vida, mas são muitos jogos que a gente disputou. Ganhei sete e ele só um. Espero que a vantagem continue. Afinal, a gente precisa, ainda mais jogando em casa. Espero que o retrospecto possa melhorar um pouco mais”, comentou Richarlyson, que não esconde ser diferente estar no mesmo campo que o irmão.

Entre para a Torcida Virtual e chame seus amigos

null“Sempre bom e gratificante saber que ele se encontra em um grande clube do cenário nacional. Enfrentá-lo é sempre um prazer, uma disputa a parte, aquele negócio de você depois fazer brincadeira. Mas a maior felicidade está em casa. Meu pai e minha mãe devem ficar felizes que os dois únicos filhos são jogadores e estão em grandes clubes. Domingo com certeza vai ser um confronto à parte”

Alecsandro disse que Richarlyson não alivia para ele, ele lembrou do último jogo, quando foi jogado para fora do campo pelo irmão . Se a disputa de bola entre ambos não é muito comum, por conta das posições, pode ser mais frequente no jogo deste domingo, já que Richarlyson vai atuar como um terceiro zagueiro do Atlético-MG .

“Ele joga mais centralizado. Se for esse posicionamento que o Dorival fez (no coletivo), devo ficar mais atento com o Éder Luís. Mas o confronto vai ser inevitável. Sempre jogando com lealdade, como se fosse outro adversário qualquer”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.