Presidente do Comitê Organizador Local se negou a falar com repórteres estrangeiros em evento das cidades-sede

O presidente do Comitê Organizador Local (COL) e da CBF, Ricardo Teixeira, discutiu de forma ríspida com jornalistas ingleses que faziam a cobertura da apresentação dos stands das 12 cidades-sede para a Copa do Mundo de 2014 . O evento, que aconteceu na manhã desta sexta-feira, na Marina do Glória, no Rio de Janeiro, é uma prévia do sorteio das eliminatórias, que ocorre neste sábado, às 14h30.

Enquanto subia ao palco da abertura do evento, acompanhado pela secretária de Esportes e Lazer do Rio de Janeiro, Márcia Lins, e do ministro do Esporte, Orlando Silva, além do prefeito do Rio, Eduardo Paes, e do governador de Brasília, Agnelo Queiroz, Ricardo Teixeira teria sido questionado sobre a possibilidade de uma pequena coletiva para a imprensa estrangeira. O presidente da CBF se recusou a falar, e um jornalista inglês que fazia parte do grupo diz que o cartola usou a palavra "corruptos" em referência aos ingleses.

Presidente do COL se irritou com jornalistas internacionais
Renan Rodrigues
Presidente do COL se irritou com jornalistas internacionais
O diretor de comunicação do COL, Rodrigo Paiva, também se irritou e discutiu com os jornalistas. Ofendidos, alguns dos repórteres estrangeiros resolveram então deixar o local encerrar a visita monitorada. A imprensa inglesa tem repercutido matérias sobre a corrupção na Fifa e incomodado o cartola brasileiro. Inclusive, isso causou o afastamento da seleção brasileira de Londres , cidade onde os comandados de Mano Menezes frequentemente disputavam amistosos.

Antes, no discurso que abriu o evento, o presidente da CBF leu um texto onde elogiou a grandiosidade do sorteio, que custará R$ 30 milhões aos cofres públicos, e também afirmou que o número de cidades-sede não é exagerado. Depois, posou para fotos ao lado dos coordenadores das cidades-sedes.

"Acredito que essa é uma das melhores estruturas para um sorteio preliminar em todas edições já realizadas. É o primeiro contato real do povo brasileiro com um evento oficial da competição. Ouvimos alguns questionamentos sobre a quantidade sedes e hoje eles estão acabando, afinal, projetos de países menores chegaram com 12 cidades-sede. Mas além das 12 cidades, a Copa tomará conta do país inteiro", declarou Teixeira.

Após alguns minutos com os representantes das cidades, onde os jornalistas não tiveram acesso, na área onde ficam os stands, Ricardo Teixeira saiu sem falar com a imprensa. Horas depois, ao chegar em uma reunião em um hotel na Barra da Tijuca, acompanhado do presidente da Fifa, Joseph Blatter, e do secretário-geral da entidade, Jérôme Vlacke, Teixeira foi questionado sobre a confusão, mas passou reto pelos repórteres com o semblante fechado.

Quem conversou com a imprensa foi o ministro Orlando Silva. Ao ser questionado se a imagem de Ricardo Teixeira na imprensa mundial poderia prejudicar a visão sobre a Copa do Mundo no Brasil, o político discordou. "A imagem que da Copa será a imagem da eficiência. O que vai ficar é a qualidade de serviços que o país irá ofertar. No mais, vamos encantar o mundo. O povo brasileiro é acolhedor e vamos passar uma mensagem de um país moderno e democrático", declarou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.