Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Ricardo Teixeira pede licença da CBF; Marin assume interinamente

José Maria Marin, vice-presidente mais velho da entidade, assume o cargo de forma interina

Bruno Winckler e Paulo Passos, iG São Paulo |

O presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ricardo Teixeira, anunciou nesta quinta-feira que deixará o cargo por 30 dias. O cartola informou aos presidentes de federações que pediu uma licença temporária por motivos médicos. Teixeira indicou o vice-presidente da entidade, José Maria Marin , como seu substituto. 

VEJA TAMBÉM: Ex-governador, Marin volta aos holofotes após duas décadas

"Ele avisou a gente hoje (quinta-feira). Vejo como uma coisa normal. Espero que ele volte", afirmou ao iG o presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo Del Nero. Pelo estatuto da CBF, Teixeira poderia escolher um dos cinco vice-presidentes para assumir o cargo. "Ele que decidiu pelo Marin. Acho justo", completou Del Nero.

Getty Images
Ricardo Teixeira durante evento da Copa do Mundo, em 2011


Segundo o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Novelletto, a licença será de 30 dias. "Recebi um informe da CBF bem sucinto. A licença é por 30 dias. Agora assume o Marin porque é quem o presidente quis. Ele sempre indica o Mari", afirmou ao iG Novelletto.

LEIA MAIS: Polícia investiga depósitos de R$ 80 mil na conta de Ricardo Teixeira

Há 23 anos à frente da CBF, Teixeira tem mandato até 2015. Em fevereiro surgiram boatos de que o cartola, envolvido em denúncias de corrupção e com pouco trânsito no Governo Federal e na Fifa, poderia abandonar o cargo.

Gazeta Press
Marin (de óculos escuros), ao lado de Marco Polo Del Nero e do governador Geraldo Alckmin
Medalha
Novo presidente interino da CBF, José Maria Marin já foi presidente da Federação Paulista de Futebol e governador de São Paulo. O cartola é o primeiro nome na linha sucessório de Teixeira caso o presidente da CBF deixe o cargo. Aos 79 anos, ele é o vice-presidente mais velho da entidade, o que lhe garante, de acordo com o estatuto da CBF, o direito a substituir o número 1 da CBF se Teixeira renunciar.

Curiosamente, pouco antes de voltar à berlinda como nome forte para suceder Ricardo Teixeira no comando da CBF, Marin voltara a experimentar a popularidade. No entanto, por uma razão bem menos lisonjeira.

No dia 25 de janeiro, ele foi flagrado pelas câmeras de TV embolsando (literalmente) uma das medalhas destinadas aos jogadores do Corinthians, campeão da Copa São Paulo de juniores.

A Federação Paulista de Futebol informou que o cartola tinha direito a ficar com uma das medalhas, e que preferiu tal gesto a colocar o prêmio no pescoço sem merecê-lo. Seja como for, a ligeireza e a discrição com a qual colocou o objeto no bolso o fizeram virar alvo fácil das redes sociais, que não perdoaram a atitude.

Saída em meio à crise
Envolvido, segundo a BBC, em um caso de corrupção dentro da Fifa, que está sendo investigado na Suíça, Ricardo Teixeira tem seu nome ligado ainda a um escândalos no Brasil. Documentos revelados pela Folha de S. Paulo apontaram que o cartola tem ligações com a empresa que superfaturou o amistoso da seleção brasileira contra Portugal, em 2008, no Distrito Federal. O caso foi investigado pela Polícia Civil de Brasília e está na Justiça Federal.

Em dezembro, Ricardo Teixeira chegou a pedir uma licença do cargo de presidente da CBF e do COL (Comitê Organizador Local da Copa do Mundo). Durante o período deixou de comparecer ao Mundial Interclubes e ao prêmio de melhor jogador do mundo, importantes eventos da Fifa, onde o dirigente já não goza de prestígio. Nas duas ocasiões, foi representado por José Maria Marin.

Segundo pessoas próximas ao cartola, problemas de saúde e questões familiares também o levaram a deixar o cargo. Um funcionário da entidade revelou ao iG que ele se diz cansado e que não aguenta mais o desgaste da sua imagem respingando na vida dos filhos.

Getty Images
Ricardo Teixeira e Pelé em evento da Copa de 2014
Em setembro de 2011, Ricardo Teixeira chegou a ser internado no hospital Pró-Cardiáco, na zona Sul do Rio de Janeiro, no Rio de Janeiro. O cartola teve uma crise de diverticulite, processo inflamatório na parede do cólon, ligada ao intestino grosso.

Isolado no Planalto
À frente da CBF desde 1989, Ricardo Teixeira já viveu períodos de isolamento e de aproximação com o Governo Federal. Durante o governo Lula foi aliado do ex-presidente e era recebido pelo alto escalão do Planalto. Com Dilma Rousseff, entretanto, não tem o mesmo trânsito. Desde o ano passado não consegue uma audiência com a presidenta, que já se reporta diretamente à Fifa para tratar dos assuntos referentes a Copa do Mundo de 2014.

A última aparição pública de Ricardo Teixeira foi no anúncio de Ronaldo como membro do conselho do COL em novembro de 2011. Desde então, o ex-jogador virou a imagem do comitê. A imagem do ex-jogador, ídolo mundial ligada ao Mundial agrada o Planalto. Nos bastidores, entretanto, Teixeira ainda tem voz e define o que deve ser feito pelo “Fenômeno”.




 

Leia tudo sobre: CBFRicardo TeixeiraCopa de 2010Marco Polo Del Nero

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG