Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Ricardo Teixeira diz que deixará sociedade e que vai investir lucro da Copa no futebol brasileiro

Presidente da CBF explicou, via assessoria, por que é sócio da empresa que criou o COL. No contrato social, Teixeira tem 0,1% da sociedade, mas poderia ficar com todo o lucro que o Mundial de 2014 terá

iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237860445246&_c_=MiGComponente_C

A diretoria de comunicação da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e do COL (Comitê Organizador Local) da Copa do Mundo de 2014 informou que Ricardo Teixeira entrou como sócio da CBF na empresa criada para a formação do Comitê por causa da determinação da legislação brasileira, que obriga qualquer sociedade limitada a ter dois proprietários. Mas que Teixeira, que preside tanto a CBF quanto o COL, deixará a sociedade assim que a lei for alterada.

Dessa forma, segundo Rodrigo Paiva, a CBF seria única societária do COL e ficaria com todo o lucro obtido no Mundial, valor que seria doado pela Fifa. O dinheiro então seria usado em investimento no futebol brasileiro.

A resposta, dada em Doha, no Catar, onde a seleção brasileira perdeu da Argentina por 1 a 0 nesta quarta-feira, aconteceu depois de reportagem do jornal Lance que informou que o contrato social que constituiu o Comitê Organizador Local (COL) da Copa 2014 como uma empresa tem como sócios a CBF e Teixeira. O lucro que a empresa obterá poderá ir 100% a Teixeira, se assim ele quiser.

O documento apresentado na matéria mostra que apesar de Teixeira pessoa física ter apenas 0,1% da sociedade, a distribuição dos lucros poderá ser feito, a critério dos sócios, sem guardar proporções com as respectivas participações no contrato social. O contrato foi alvo do procurador da Junta Comercial do Rio de Janeiro (Jucerja), Gustavo Borba, em junho de 2008. Na época ele recomendou que o contrato fosse investigado, já que pelo estatuto da CBF ela é uma entidade sem fins lucrativos, mas a assembléia geral da Junta confirmou o registro.

O que preocupava Borba é que a princípio o COL seria criado como empresa sem fins lucrativos, mas houve uma mudança de última hora para sociedade limitada, o que prevê o lucro. Rodrigo Paiva questiona a preocupação ao afirmar que o dinheiro que sobrará não será publico, mas da Fifa que repassará a CBF.

O lucro do COL pode ocorrer da seguinte forma: a Fifa repassa ao comitê quase toda a verba que arrecada para o Mundial com patrocinadores e venda de ingressos. Estima-se que este valor pode chegar a R$ 1,3 bilhão. O COL é responsável pelos pagamentos, como premiação de jogadores, palestras, seminários, contratação de funcionários, etc.

Só que o comitê pode barganhar, conseguir descontos, e o que sobrar parte vai para a Fifa (aproximadamente 30%) e o restante fica com o COL, que faz com o dinheiro o que quiser. Em 2006, na Alemanha, o Comitê Local entregou o dinheiro à Liga dos clubes que comanda as duas principais divisões do país ¿ algo em torno de R$ 260 milhões.

Leia tudo sobre: copa 2014copa do mundofutebol

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG