Mesmo com os fortes boatos de renúncia, presidente da entidade segue firme no cargo

Por meio de uma nota oficial publicada no site da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o presidente Ricardo Teixeira convocou uma Assembleia Geral Extraordinária e pediu a presença de todas as Federações filiadas à entidade, em encontro que será realizado no próximo dia 29 de fevereiro, às 14h, na sua própria sede.

E MAIS: Emerson Leão detona a CBF e diz que torce pela saída de Ricardo Teixeira

Ricardo Teixeira durante evento da Copa do Mundo, em 2011
Getty Images
Ricardo Teixeira durante evento da Copa do Mundo, em 2011
De acordo com o comunicado, os pontos a serem discutidos são: tomar ciência da exposição a ser apresentada pelo presidente relativa a assuntos de interesse da entidade e de suas filiadas; discutir e deliberar sobre reforma parcial do Estatuto da CBF, conforme proposta apresentada pela presidência; interpretar preceitos do Estatuto; outros assuntos de interesse da CBF. 

LEIA TAMBÉM:  Dissidentes recuam e já apoiam permanência de Ricardo Teixeira

Sete federações pediram a reunião para discutir a provável sucessão de Teixeira no cargo de presidente. Porém, esse mesmo grupo de dissidentes que pediam a renúncia do mandatário, recuou e já apóia a continuidade de Ricardo Teixeira à frente da CBF. 

À frente do movimento de resistência, o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Novelletto, disse agora estar ao lado do presidente incondicionalmente. "Tudo que ele prometeu, ele atendeu na íntegra até agora. O Rio Grande do Sul não tem nada a reclamar do Ricardo Teixeira. Sou grato e fiel a ele. Se quiser ficar mais 30 anos, apoio", afirma o cartola.

Teixeira pressionado
Após uma semana de rumores, o presidente da CBF divulgou uma nota na última sexta-feira antes do carnaval informando que “retomaria as atividades que constam da sua agenda de trabalho na CBF após o feriado”. No mesmo dia, ele viajou para Miami, onde passou o período com a família.

Segundo pessoas próximas ao cartola, Teixeira já cogita deixar a CBF desde o final de 2011. Sem apoio da Fifa, que já trata da Copa do Mundo de 2014 diretamente com o Governo Federal, e sem diálogo com a presidenta Dilma Rousseff, o cartola sofreu com novas denúncias de corrupção.

MAIS SOBRE A CBF:  Para Andrés, Teixeira só deixa a entidade "quando Zorro for preso"

Ao lado de Pelé e da Presidente Dilma, Teixeira compareceu ao sorteio dos grupos para o Mundial no Brasil, no Rio de Janeiro
Getty Images
Ao lado de Pelé e da Presidente Dilma, Teixeira compareceu ao sorteio dos grupos para o Mundial no Brasil, no Rio de Janeiro
Envolvido, segundo a BBC, em um caso de corrupção dentro da Fifa, que está sendo investigado na Suíça, o brasileiro tem seu nome ligado agora a um escândalo no Brasil. Documentos revelados pela Folha de S. Paulo apontaram que o cartola tem ligações com a empresa que superfaturou o amistoso da seleção brasileira contra Portugal, em 2008, no Distrito Federal. O caso foi investigado pela Polícia Civil de Brasília e está na Justiça Federal.

Em dezembro, Ricardo Teixeira chegou a pedir uma licença do cargo de presidente da CBF e do COL (Comitê Organizador Local da Copa do Mundo). Durante o período deixou de comparecer ao Mundial Interclubes e ao prêmio de melhor jogador do mundo, importantes eventos da Fifa, onde o dirigente já não goza de prestígio. Nas duas ocasiões, foi representado por José Maria Marin, seu vice-presidente mais velho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.