Novo boletim médico não apontou mudanças no quadro do treinador do Vasco, que ainda recebe sedativos

A expectativa de que o técnico do Vasco , Ricardo Gomes , deixasse de receber sedativos nesta segunda-feira ainda não se confirmou. Segundo o novo boletim médico sobre o estado de saúde do treinador, divulgado pelo hospital Pasteur, na zona Norte do Rio de Janeiro, onde ele está internado desde o último domingo devido a um AVC (Acidente Vascular Cerebral), o quadro de Gomes não apresenta mudanças. Embora os medicamentos estejam sendo reduzidos gradativamente, o treinador ainda está medicado.

Siga o Twitter do iG Vasco e receba notícias do time em tempo real

Segundo a nota, Ricardo Gomes está acordado e consciente, intercalando momentos de sonolência pela ação dos medicamentos, com respostas calmas para alguns movimentos e comandos da equipe de atendimento médico. Ele também continua entubado (tubo traqueal), em ventilação mecânica. O trabalho de fisioterapia motora e respiratória está sendo realizado para estimular os movimentos dos dedos e membros inferiores e superiores, evitando assim que haja atrofia muscular. Não há previsão de alta do CTI e as visitas ao paciente estão restritas aos familiares.

Entre para a Torcida Virtual de Vasco e convide seus amigos

Leia o boletim médico na íntegra:

"O paciente Ricardo Gomes, 46 anos, internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Pasteur, permanece com o quadro clínico e neurológico estável. Ele continua entubado (tubo traqueal), em ventilação mecânica. A redução gradativa da sedação está em curso conforme programado, dessa forma, o paciente intercala momentos de sonolência, com despertar calmo, respondendo aos comandos da equipe de saúde.

O trabalho de fisioterapia motora e respiratória no leito está sendo realizado. Não há previsão de alta do CTI e as visitas ao paciente estão restritas aos familiares.

As reavaliações são realizadas constantemente e modificações do quadro serão notificas."

null

Entenda o caso

28/08 - Ricardo Gomes foi submetido a uma neurocirurgia para drenagem de hematoma cerebral e controle da hipertensão intracraniana. O procedimento, que durou cerca de três horas, foi realizado com sucesso pela equipe do neurocirurgião José Antonio Guasti e com o suporte clínico do médico Fábio Guimarães Miranda. A tomografia computadorizada no pós-operatório imediato foi satisfatória, mostrando que o hematoma foi totalmente removido e a pressão intracraniana está mantida sob controle.

29/08 – Um eletroencefalograma (exame para verificar as condições neurológicas) apresentou alterações esperadas para o quadro do paciente. O pós-cirúrgico evoluiu bem, sem apresentar intercorrências.

30/08 – Uma angiotomografia computadorizada (exame que mapeia os vasos sanguíneos cerebrais) evidenciou a ausência de um aneurisma. Assim, os médicos descartaram a possibilidade de uma nova intervenção cirúrgica.

31/08 - A sedação que induzia ao coma do paciente foi retirada. Ele apresentou reações positivas, como abrir os olhos e movimentar os membros superiores e inferiores. O paciente iniciou o tratamento de fisioterapia motora e respiratória. Ele também entrou em processo de retirada da respiração artificial.

01/09 – O paciente apresenta uma melhora progressiva, sem sinais de complicações. Ele está recuperando gradativamente o nível de consciência e atendendo aos comandos verbais. Uma nova tomografia computadorizada evidenciou uma boa absorção dos resíduos dos líquidos no tecido cerebral, decorrentes da hemorragia que ele sofreu. Numa escala de 1 a 5, ele está com grau 2 nos movimentos do lado direito. Já o lado esquerdo está com força normal.

02/09 - O paciente apresentou um quadro de agitação e necessitou ser levemente sedado. Uma tomografia computadorizada realizada neste período confirmou um bom aspecto, sem evidências de complicações. Dessa forma, o cateter cerebral foi removido.

03/09 - Uma nova tomografia computadorizada cerebral evidenciou uma melhora em comparação ao último exame. O paciente permaneceu com o quadro clínico e neurológico estável, mantendo-se sedado, entubado (tubo traqueal), em ventilação mecânica. Foi iniciada a redução da sedação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.