Médicos que cuidam do caso acreditam que técnico do Vasco deva ter alta do CTI nos próximos três dias

Depois de muita expectativa, os médicos do Hospital Pasteur, onde Ricardo Gomes está internado desde o último dia 28 , em decorrência de um AVC hemorrágico, convocaram entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira para informar que foi retirado o tubo traqueal e a ventilação mecânica que auxiliavam na respiração do técnico do Vasco . O procedimento constava como última etapa do pós-operatório depois que o treinador foi submetido e uma neurocirurgia para drenagem de um edema cerebral. Gomes reagiu bem à retirada dos aparelhos e seu quadro clínico e neurológico continua evoluindo.

Siga o Twitter do iG Vasco e receba notícias do time em tempo real

“Ele foi extubado ontem de manhã. São mais de 24 horas sem o tubo traqueal e ele está respirando muito bem. Em momento nenhum cogitamos retornar a prótese respiratória. O nível de consciência vem melhorando a cada hora. Atualmente, ele já se encontra sentado em uma poltrona olhando para as pessoas. O paciente entende a maior parte do que se fala”, contou o médico Fábio Miranda.

A reação de Ricardo ao se comunicar com os familiares deixou a equipe médica otimista. No entanto, é cedo ainda para um diagnóstico sobre sequelas na fala. Mas já iniciou trabalho de fonoaudiologia. 

“Ele fala muito pouco, já emitiu sons, o que era esperado. Já falou palavras como ‘bem’, disse para o filho ‘eu te amo’. Acreditamos na melhora dele, melhora da fala e da movimentação. Realmente, é cedo para afirmar sobre o nível desta melhora. Ou seja, se vai haver ou não normatização no nível de fala. Mas o quadro até aqui nos deixa muito satisfeito”, declarou Fábio Miranda.

Entre para a Torcida Virtual do Vasco e convide seus amigos

Os médicos haviam retirado a sedação de Ricardo Gomes há uma semana. Mas o contato com amigos e familiares, já que as visitas passaram a ser abertas e em horários variados, criou um quadro de agitação no paciente. Cauteloso, o hospital voltou a ser rigoroso com as visitas e os médicos decidiram mantê-lo sobre sedativos novamente até o cérebro estabilizar, permitindo novas emoções. 

De acordo com os médicos, Ricardo Gomes deve ter alta em três ou quatro dias. No entanto, o treinador permanecerá pelo menos mais três semanas no hospital. “Ele não deve sair andando por causa da diminuição da força. Mas o quadro é muito satisfatório”, comentou Fábio, afastando a possibilidade de risco de vida. “Não esperamos mais por surpresas. Se acontecer alguma nesse sentido, será um susto para todos nós. Ele reagiu bem em cada etapa do pós-operatório e sua recuperação tem sido animadora”.

Entenda o caso

28/08 – Ricardo Gomes foi submetido a uma neurocirurgia para drenagem de hematoma cerebral e controle da hipertensão intracraniana. O procedimento, que durou cerca de três horas, foi realizado com sucesso pela equipe do neurocirurgião José Antonio Guasti e com o suporte clínico do médico Fábio Guimarães Miranda. A tomografia computadorizada no pós-operatório imediato foi satisfatória, mostrando que o hematoma foi totalmente removido e a pressão intracraniana está mantida sob controle.

29/08 – Um eletroencefalograma (exame para verificar as condições neurológicas) apresentou alterações esperadas para o quadro do paciente. O pós-cirúrgico evoluiu bem , sem apresentar intercorrências.

30/08 – Uma angiotomografia computadorizada (exame que mapeia os vasos sanguíneos cerebrais) evidenciou a ausência de um aneurisma. Assim, os médicos descartaram a possibilidade de uma nova intervenção cirúrgica.

31/08 – A sedação que induzia ao coma do paciente foi retirada . Ele apresentou reações positivas, como abrir os olhos e movimentar os membros superiores e inferiores. O paciente iniciou o tratamento de fisioterapia motora e respiratória. Ele também entrou em processo de retirada da respiração artificial.

01/09 – O paciente apresenta uma melhora progressiva, sem sinais de complicações. Ele está recuperando gradativamente o nível de consciência e atendendo aos comandos verbais. Uma nova tomografia computadorizada evidenciou uma boa absorção dos resíduos dos líquidos no tecido cerebral, decorrentes da hemorragia que ele sofreu. Numa escala de 1 a 5, ele está com grau 2 nos movimentos do lado direito. Já o lado esquerdo está com força normal.

02/09 O paciente apresentou um quadro de agitação e necessitou ser levemente sedado. Uma tomografia computadorizada realizada neste período confirmou um bom aspecto, sem evidências de complicações. Dessa forma, o cateter cerebral foi removido.

03/09 – Uma nova tomografia computadorizada cerebral evidenciou uma melhora em comparação ao último exame. O paciente permaneceu com o quadro clínico e neurológico estável, mantendo-se sedado, entubado (tubo traqueal), em ventilação mecânica. Foi iniciada a redução da sedação.

06/09 Outra tomografia computadorizada apresentou um ótimo resultado, evidenciando a absorção completa do hematoma cerebral , decorrente do AAVE hemorrágico que ele sofreu, dia 28/08.

07/09 – Em nova avaliação da equipe de médicos, foi completamente retirada a administração de sedativos, aumentando o nível de consciência de Ricardo Gomes. As visitas foram liberadas .

08/09 – Boletim médico informa que nas últimas 24 horas, neurologicamente, o treinador apresentou “melhora progressiva do seu nível de consciência, permanecendo acordado com maior frequência, sem utilização de sedativos”. No complemento do comunicado, a junta médica afirma que avaliará a possibilidade de submetê-lo a uma extubação - deixar o paciente respirando sem o tubo traqueal. A expectativa com a retirada deste aparelho é a resposta de Gomes às sequelas na fala

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.