Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Ricardo Gomes reconhece importância na mudança de clima no Vasco

Treinador admite, porém, que será preciso conter a euforia dos jogadores após os últimos resultados

Hilton Mattos, iG Rio de Janeiro |

Ricardo Gomes é hoje uma espécie de eminência parda no Vasco. Os ares de São Januário, indiscutivelmente, são outros depois da sua chegada. E não precisou muito tempo para isso. Bastaram duas semanas para o ambiente mudar na Colina. De time com pior campanha na Taça Guanabara aos 9 a 0 sobre o América no último sábado, muito desta transformação passou pela mão do treinador.

Ricardo Gomes foi responsável direto por devolver a auto estima dos jogadores, reaproximar elenco e comissão técnica e, o mais importante, fazer o time tomar gosto por jogar futebol. O exemplo foi aplicação da equipe na goleada do fim de semana. Mesmo com 5 a 0 no primeiro tempo, os jogadores não pararam de correr e procurar o gol na volta do intervalo.

Agência O Globo
Ricardo Gomes comandou o treino nesta segunda, de olho no segundo turno do Campeonato Carioca
Polido, o técnico não colhe sozinho os louros da fama. Prefere dividir o mérito com a antiga comissão. Mas não dura muito sua indiferença à realidade dura pouco. Ricardo Gomes reconhece, sim, a importância do seu trabalho nesta transformação. Porém, faz uma advertência: agora vem a segunda parte do trabalaho, que é  manter a aplicação.

“Tenho o meu percentual aqui, que é alto. Quando cheguei, encontrei um grupo desanimado, fui recuperando um por mim, devolvendo a confiança e trabalhando bastante as virtudes dos jogadores. Hoje, temos um grupo forte emocionalmente”, comenta o treinador, que passou os primeiros dias atuando mais como psicólogo do que desenvolvendo propriamente os trabalhos de campo.

O Vasco de hoje, ou melhor, Vasco após a chegada de Gomes, joga com animação, há espírito de grupo – o que não se via mais na época de PC Gusmão – e, nitidamente, os jogadores correm por ele dentro de campo. Nada mais do que um retrato de um grupo em harmonia que vê na imagem do seu treinador a liderança que faltava.

“O que mais chamou a atenção na goleada de sábado foi a aplicação deles. Não é todo dia que se ganha de nove. Nem em jogo-treino contra adversários tecnicamente limitados, você dá de 9 a 0. E eles ficavam ali o tempo todo. Já estava seis, sete e os caras lá, querendo fazer mais. Isso é comprometimento", destacou Ricardo Gomos.

Fica, então, uma pergunta no ar: e será possível manter esta aplicação nos outros jogos?

“Tem que continuar. Quero isso sempre. Este é o segredo. Vou exigir foco nas partidas e concentração o tempo todo”, disse o técnico vascaíno.

Conter a euforia
A goleada sobre o América foi um alívio para Ricardo Gomes e seus jogadores. Mas o treinador não esconde a preocupação com o efeito contrário que o resultado pode ter causado. Se, na sua chegada, ele precisou recuperar um grupo em frangalhos emocionalmente, agora a missão é evitar que o clima de oba oba tome conta dos jogadores.

“Depois de levantar o astral dos jogadores, agora é hora de cuidar para o sucessor não subir à cabeça. Tenho esta preocupação. Estou atento”.
 

Leia tudo sobre: vasco

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG