Tamanho do texto

Em jogo disputado na lama, o time de Mano Menezes contou com Sandro e Hernanes para balançar as redes

Time reserva, péssimo gramado e adversário de baixo nível. O amistoso da seleção brasileira contra Gabão já parecia pouco animador. Para piorar, pouco antes da bola rolar, um apagão atrasou o início do jogo por cerca de quinze minutos . Quando a bola finalmente rolou, aconteceu o que era esperado: domínio do Brasil durante todo o jogo e vitória tranquila por 2 a 0.

No primeiro tempo o Brasil contou com Sandro para abrir o placar cedo, com um gol tão feio quanto o jogo. Depois, Hernanes aumentou o placar. Enquanto isso, o Gabão abusava das faltas duras, tinha constantes falhas na sua defesa, era salvado pelo goleiro Ebang e dependia de Aubameyang, seu único jogador de habilidade, para surpreender de alguma forma.

No segundo o tempo o jogo esfriou e Mano Menezes aproveitou para fazer testes. Alex Sandro, Thiago Silva, Lucas, Willian, Kléber e Dudu entraram em campo, mas pouco mudaram o ritmo do jogo, que apenas se arrastou até o fim. O Gabão chegou a se animar em alguns momentos, mas criou poucas chances de gol.

Agora a seleção brasileira vai para Doha, no Catar, onde enfrentará o Egito. Nesta partida, a ser disputada na próxima segunda-feira, a equipe deve começar o jogo com mais titulares, como Daniel Alves, Thiago Silva e Lucas Leiva. Vale lembrar que para esses jogos Mano optou por não convocar quem atua no futebol brasileiro, por causa da reta final do Campeonato Brasileiro .

O jogo
O apagão de 15 minutos não esfriou a seleção brasileira. Logo no começo da partida, Hernanes fez uma jogada individual na ponta direita, mas foi parado com falta. Foi quando aconteceu a primeira chance de gol do Brasil, com Jonas. Após uma rebatida errada da defesa do Gabão, o atacante do Valencia ficou de frente para o gol, mas chutou para fora.

Aos seis minutos, uma nova jogada de perigo aconteceu pela esquerda. Adriano avançou sozinho até a linha de fundo e teve que arriscar com a perna direita, mas o chute foi em cima do goleiro do Gabão.

A pressão brasileira deu resultado aos onze minutos. Em jogada aérea, Ebanega se atrapalhou para afastar a bola e forçou o goleiro Ebong a se esticar todo para defender. Porém, o rebote sobrou para Sandro, que abriu o placar para o Brasil.

A resposta do Gabão foi fraca. Aos quinze minutos, Aubameyang puxou um contra-ataque e chutou para o gol de esquerda, mas foi fraco e Diego Alves encaixou a bola com facilidade. O atacante era um dos poucos que se destacava no Gabão.

Aubameyang mostrou habilidade e deu trabalho para a defesa do Brasil
AFP
Aubameyang mostrou habilidade e deu trabalho para a defesa do Brasil

Com mais posse de bola, o Brasil se contentou em trocar passes sem levar perigo ao Gabão. Até que, aos 24 minutos, Hernanes aproveitou um erro de passe dos adversários para sair na frente do gol. O meio campista tentou fazer o gol por cobertura, mas a bola foi para fora. Mano Menezes se irritou com o lance do jogador da Lazio.

Os erros de Gabão não pararam por aí. Quatro minutos depois, foi a vez de Hulk se aproveitar de um domínio errado, mas ele se precipitou, chutou de longe e a bola foi para fora. Logo depois, Elias desperdiçou uma nova oportunidade ao entrar na área e chutar com a esquerda, para defesa de Ebong.

Aos 32 minutos, finalmente uma chance real de gol do Gabão. Em cobrança de falta pela esquerda, Madinda poderia cruzar para a área, mas preferiu chutar direto. Diego Alves foi surpreendido, mas conseguiu espalmar e a bola ainda acertou o travessão.

Mas qualquer ameaça de reação do Gabão acabou por causa de Hernanes. Ele começou uma jogada pelo meio e deixou a bola com Jonas, que chutou forte e deu trabalho para Ebong espalmar. No rebote o meia da Lazio apareceu para empurrar, de cabeça, a bola para dentro do gol. 2 a 0 para o Brasil.

A seleção brasileira continuou a dominar o jogo, mas aos 39 minutos um lance surpreendente aconteceu: Aubameyang recebeu a bola pela esquerda, pedalou para cima de Fábio e chutou forte para o gol. Diego Alves teve trabalho, mas espalmou a bola para fora e esse foi o último lance relevante do primeiro tempo.

Depois do intervalo, Fábio, que tinha sofrido na marcação pela direita, foi substituído pelo lateral-esquerdo Alex Sandro. Dessa forma, Adriano foi improvisado na direita.

Aos quatro minutos, Bruno César apareceu para o jogo e tentou ser ousado: ele chutou a bola do meio-campo, já que Ebong estava adiantado. Mas a bola foi para fora.

Aos dez minutos, Hulk invadiu a área em velocidade e, após uma dividida com o goleiro, foi puxado por um defensor do Gabão. Ele pediu pênalti, mas não foi atendido pelo juiz. Dois minutos depois, foi a vez de Jonas entrar na área, lançado por Hernanes, e chutar para fora.

O tempo passou e, com a seleção brasilera mais acomodada, o Gabão passou a achar mais espaço e se empolgar com o apoio da torcida. Aos vinte minutos, isso virou uma chance de gol. Aubameyang, sempre ele, chutou da esquerda e a bola passou perto do gol de Diego Alves, mas foi para fora.

Quatro minutos depois, o Brasil finalmente acertou uma boa jogada coletiva. Hulk foi lançado pela direita e cruzou na medida para Bruno César finalizar dentro da área. Ele acertou o voleio de esquerda, mas Ebong defendeu e a bola ainda tocou no travessão antes de ir para fora.

Depois dos 25 minutos, as seleções passaram a fazer mais substituições, testes e mudanças. Com isso, o segundo tempo, que já estava frio, ficou ainda mais desanimado. Um último lance importante só foi acontecer aos 39 minutos, quando Willian, que entrou no lugar de Bruno César, tentou fazer uma jogada individual. Driblou um defensor, mas foi acompanhado por outro e não conseguiu levar perigo ao gol do Gabão.

FICHA TÉCNICA: GABÃO 0 x 2 BRASIL

Local: Estádio L´Amistad, Libreville, Gabão.
Data: 10 de novembro de 2011 (Quinta-feira)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Victor Hungwani (AFS)
Assistentes: Moshidi e Dilikana (AFS)
Cartões amarelos: Moussono (GAB) e Adriano (BRA)
GOLS: Sandro (BRA), aos onze minutos do primeiro tempo. Hernanes (BRA), aos 34 minutos do primeiro tempo.

GABÃO: Ebong, Moundounga, Manga, Ebanega e Moussono; Palun (Moubamba), Biyogho (Mbanagoye), Madinda e Mouloungui (Nguema); Aubameyang e Méyé (Cousin). Téc.: Gernot Rohr

BRASIL: Diego Alves, Fábio (Alex Sandro), Luisão, David Luiz e Adriano; Sandro (Lucas Leiva), Elias (Thiago Silva), Hernanes e Bruno César (Willian); Hulk (Kléber) e Jonas (Dudu). Téc.: Mano Menezes

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.