Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Renato chega ao Atlético-PR e diz que caso não é desesperador

Treinador elogia torcida, promete melhorar a situação do time e admite que reforços são necessários

Leonardo Fagundes, iG Curitiba* |

Divulgação
Renato Gaúcho na apresentação como técnico do Atlético-PR
Renato Gaúcho foi apresentado como novo técnico do Atlético-PR na tarde desta quinta-feira, na Arena da Baixada em Curitiba. O treinador já estava com a roupa da comissão técnico rubro-negra e mostrou bastante otimismo em sua chegada.

“O objetivo do torcedor do Atlético é ver seu time subindo na tabela, assim como é o objetivo da diretoria e da comissão técnica. Então, precisamos dar as mãos e juntar as forças, porque todo mundo tem o mesmo objetivo. Não vejo esse desespero todo. Claro que não é uma boa situação, mas com trabalho a gente vai colocar o Atlético no lugar dele”, avaliou.

Entre para a Torcida Virtual do Atlético-PR e convide seus amigos

Para ele, a torcida atleticana é fundamental para a recuperação da equipe no Campeonato Brasileiro. Atualmente o clube é o lanterna, com apenas um ponto em oito jogos.

“Conheço um pouco do grupo e volto a repetir: eu sei de uma coisa muito boa aqui no Atlético, que é a sua torcida, e ela vai ser fundamental para que o clube saia dessa situação”, disse Renato.

O treinador ainda falou sobre o elenco atleticano, que recentemente teve reforços de Marcinho, Itamar e El Morro Garcia.

 

“Se você perguntar ao Tite, técnico do time líder do campeonato, se ele precisa de reforços, ele vai dizer que sim. Se a diretoria puder me dar reforços, eles serão bem vindos. O campeonato é longo e você precisa se preparar para isso, ter um grupo bom e com jogadores que possam decidir uma partida. Vou analisar bem o nosso grupo, ver se tem condições de trazer reforços. A partir daí, no momento que eu tiver todo o grupo e souber o melhor esquema, tenho sim alguns (reforços) na cabeça”, afirmou.

Renato também falou que vai avaliar o elenco, principalmente através de conversas com o auxiliar técnico Leandro Niehues, além de outros atletas que ele já conhece.

“Não adianta ficar aqui expondo A, B ou C, se o problema é a defesa, meio ou ataque, isso fica no papo do treinador com o grupo. Pior que está pode ter certeza que não vai ficar. Por isso a tendência é melhorar. Vou escutar um pouco o Leandro (Niehues), trabalhei com o Madson, lancei ele no Vasco, conheço o Wagner Diniz e outros. Temos pouco tempo de trabalho até sábado, mas podem ter certeza e que vontade e luta não vão faltar”, disse.

Leia tudo sobre: atlético-prbrasileirão 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG