Tamanho do texto

O atleta nega que haja um desacerto em relação aos salários que receberia em um novo contrato

O contrato de Renato Abreu com o Flamengo se encerra no próximo dia 31 e a renovação não está tão fácil quanto se imaginava. Publicamente, o meia prefere não falar sobre o tempo de um novo vínculo, que seria um dos principais entraves, mas apela à sua identificação com o clube para sonhar com um acordo até o fim desta semana.

"Não me imagino fora do Flamengo em 2012. Minha identificação com o Flamengo e o Corinthians sempre foi muito grande e ocorreu de maneira muito rápida. Sempre digo que o importante é estar feliz onde trabalho, e estou feliz. Só precisa ver se o clube está feliz comigo também", falou, rindo, o jogador de 33 anos, que defendeu o Timão entre 2001 e 2005 e o Rubro-negro em passagem de 2005 a 2007 e, atualmente, desde 2010.

Confira também: Empresário de Montillo contraria o Cruzeiro e negocia com brasileiros

O meio-campista esteve em São Paulo nessa sexta-feira para participar de um amistoso beneficente no Pacaembu e demonstrou certa ansiedade por uma definição para poder descansar melhor nas férias. "Espero que tudo esteja resolvido até o dia 15 para passar um Ano Novo e um Natal mais tranquilo."

O atleta nega que haja um desacerto em relação aos salários que receberia em um novo contrato, mas prefere não se declarar sobre o período de prorrogação. Mesmo com o aval de Vanderlei Luxemburgo na renovação, o clube teria a intenção de assinar por um ano, metade do que o veterano gostaria.

Veja: Renato dá prazo ao Fla e quer renovar por no mínimo dois anos

"Mas é difícil falar. Não tem nada concreto e não sei o que foi conversado. Só espero que as coisas possam fluir bem porque já deixei bem claro que a minha identificação com o Flamengo é muito grande", comentou Renato, que conta deixar as negociações somente com seu empresário, Claudio Guadagno.

O jogador só garante que, embora identificado, não pode se aposentar caso o Flamengo não o queira. "Muitas coisas podem acontecer. Como joguei no futebol dos Emirados [Árabes Unidos], tem algumas coisas por aqueles lados lá que meu empresário estava vendo, tem outras aqui no Brasil... O que não posso é ficar parado. Sou profissional e fiz a minha parte", afirmou.