Edmundo, Robinho, Ronaldo, Kleber. É extensa a lista de atletas que conseguiram transferências "na marra"

A habilidade do jogador brasileiro é reconhecida mundialmente. Porém, outra característica dos brasileiros também tem destaque no noticiário esportivo internacional: a de "forçar a barra" para deixar os clubes com os quais têm contrato em vigência.

O atacante Robinho talvez seja o maior representante deste grupo, que conta com outros astros e tem no palmeirense Kleber um típico representante no futebol nacional. Confira.

Robinho, um "especialista"

O "Menino da Vila", revelado 2002, deixou o Santos em agosto de 2005 provocando a ira de boa parte da torcida. Ausência em treinos e reclamações públicas foram a estratégia utilizada pelo jogador e pelo empresário Wagner Ribeiro para convencer a diretoria a negociá-lo ao Real Madrid - mesmo descontente com o valor da multa rescisória.

Exatamente três anos depois, o Real provaria do mesmo veneno. Robinho forçou a barra para ser negociado ao Chelsea , da Inglaterra, chegando a convocar entrevista coletiva para dizer que estava descontente em Madri. Curioso é que o Real não aceitou negociá-lo com o clube londrino. O atacante teve de se contentar com o Manchester City .

Para manter a tradição, Robinho se desentendeu com o técnico italiano Roberto Mancini, do City e, no início de 2010, já estava disponível novamente. Acabou acertando com seu atual clube, o Milan .

Kleber reaparece no Palmeiras após briga com a diretoria
Gazeta Press
Kleber reaparece no Palmeiras após briga com a diretoria

 Ronaldo tem seus capítulos

O Fenômeno brilhou em seu primeiro clube europeu, o holandês PSV. Porém, a transferência para o Barcelona, em 1996, não foi das mais harmoniosas. O atacante alegou não se entender com o técnico do PSV, Dick Advocaat , para facilitar a transferência.

Em 2002, ano em que brilhou no pentacampeonato da seleção na Copa da Ásia, Ronaldo alegou desentendimentos com o técnico argentino Héctor Cúper para trocar a Internazionale pelo Real Madrid. Até hoje, Cúper e boa parte da torcida da Inter não o perdoam.

Romário e a volta ao Fla

Consagrado internacionalmente e campeão do mundo com a seleção nos EUA, em 1994, Romário era um verdadeiro rei em Barcelona. Mesmo assim, seduzido pela ótima oferta financeira do Flamengo , que contou com a parceria de diversas empresas, o Baixinho se esforçou um bocado para "convencer" o clube catalão a negociá-lo com o Fla, no início de 1995.

Kleber reaparece no Palmeiras após briga com a diretoria
Gazeta Press
Kleber reaparece no Palmeiras após briga com a diretoria

Um Animal nas negociações


Também em 1995, o Flamengo foi protagonista de outra "forçada de barra": a de Edmundo, que fez de tudo para trocar o Palmeiras pelo clube da Gávea.

Já disposto a voltar ao Rio, o "Animal" passou a criticar a diretoria e a deixar clara sua insatisfação a ponto de passar a ser perseguido pela torcida palmeirense. No Fla, fracassou ao formar o "melhor ataque do mundo" ao lado de Romário e Sávio.


O sumiço do Imperador


Em 2009, após inúmeras confusões, Adriano decidiu sair da Inter de Milão "na marra". Após partida pela seleção brasileira, se isolou na Vila Cruzeiro, no Rio, e passou dias sem dar notícias.

Foi o suficiente a convencer a Inter e o técnico Jose Mourinho a liberá-lo. Pouco depois, acertaria com o Flamengo, pelo qual seria campeão brasileiro.

As idas e vindas de Muller

Após provocar a ira da torcida são-paulina ao aceitar jogar pelo Palmeiras, em 1995, Muller se redimiu no ano seguinte ao voltar para o Morumbi e deixar o time alviverde.

Porém, após poucos meses, surpreendeu a todos no Tricolor paulista ao exigir ser negociado com o Perugia, da Itália, no começo de 1997. Sem deixar qualquer marca no time italiano, voltou ao Brasil para atuar pelo Santos.

Athirson e a Juventus

Kleber reaparece no Palmeiras após briga com a diretoria
Gazeta Press
Kleber reaparece no Palmeiras após briga com a diretoria
Então uma grande revelação do futebol brasileiro, o lateral-esquerdo Athirson, do Flamengo, assinou um pré-contrato com a Juventus , da Itália, em 2000. O Clube da Gávea não aceitou o documento, alegando que, na data da assinatura, ainda não estava em vigência a "Lei Pelé", que extinguiu o "passe".

No ano seguinte, o clube brasileiro obteve vitória na Justiça e seguiu com boa parte dos direitos da multa contratual do jogador, que jamais brilhou pela Juventus.


Kleber, o seguidor de Robinho?


Se Robinho é especialista em "forçadas de barra", o atacante Kleber "Gladiador" parece disposto a seguir o mesmo caminho.

O jogador está em pé de guerra com a diretoria do Palmeiras e esteve na mira do Flamengo. No Cruzeiro , pelo qual jogou em 2009/10, usou estratégia parecida até conseguir retornar ao clube do Palestra Itália.

Kleber reaparece no Palmeiras após briga com a diretoria
Gazeta Press
Kleber reaparece no Palmeiras após briga com a diretoria

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.