Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Relembre as polêmicas na carreira de Richarlyson, do Atlético-MG

Desde que deixou o Santo André, em 2005, volante alterna períodos de bom futebol com episódios complicados

iG São Paulo |

Após se envolver em acidente de trânsito nas ruas de Belo Horizonte, na última quarta-feira, o volante Richarlyson desabafou no CT do Atlético-MG : "Eu fico chateado porque as pessoas preferem falar sobre polêmicas, da minha vida fora de campo."

O fato, porém, é que o raçudo jogador insiste em alternar bons momentos na carreira profissional com episódios complicados, que invariavelmente atrapalham seu desempenho em campo. Há seis anos, o volante trocava o Santo André pelo São Paulo (numa transação polêmica) e começava a se acostumar com os holofotes da mídia. Confira:
 

Palmeiras para trás

Após se destacar no Santo André, clube pelo qual foi campeão da Copa São Paulo de juniores em 2003, Richarlyson entrou na Justiça, em 2005, para conseguir deixar o clube. Chegou a acertar verbalmente com o Palmeiras, mas, no momento de assinar o contrato, surpreendeu os dirigentes do Alviverde ao anunciar que iria para o rival São Paulo.

Processo judicial

Em 2007, em um programa da TV Record, foi citado pelo então dirigente palmeirense José Cyrillo Júnior como sendo o suposto jogador de um grande clube de São Paulo que revelaria ser homossexual. Richarlyson entrou na Justiça contra Cyrillo, mas não obteve sucesso. O juiz Manoel Maximiano Junqueira Filho, que emitiu sentença arquivando o processo criminal, causou polêmica ao escrever que "futebol é coisa para macho". Mais tarde, o juiz foi punido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

Aplique no cabelo

No final de 2009, enquanto passava férias em Bauru, no interior de São Paulo, Richarlyson causou espanto ao aparecer com longos apliques no cabelo. O visual causou desconforto entre dirigentes do São Paulo e posteriormente foi abolido pelo jogador.

undefined
Richarlyson e o cartão vermelho: rotina na reta final da passagem pelo São Paulo

Série de expulsões

Richarlyson não se sente perseguido apenas pela imprensa. Os árbitros também lhe incomodam e mais de uma vez ele já culpou os juízes por suas frequentes expulsões.

Em 2008, quando estava no São Paulo, Richarlyson engatou uma série de cartões vermelhos. Dois anos depois, quando seu contrato com o time paulista já estava perto do fim, uma expulsão contra o Fluminense foi vista como um agravante para que seu vínculo nao fosse renovado.

Foi então que Richarlyson partiu para o Atlético-MG, mas nem lá a situação mudou. Durante o estadual, recebeu dois cartões vermelhos, se envolveu em polêmica com o árbitro Cléber Wellington Abade e, quando questionado se isso era uma perseguição, ele opinou: "Eu creio que sim, principalmente da arbitragem paulista".

Torcida não grita o nome

A Independente e a Dragões da Real, principais torcidas organizada do São Paulo, têm como tradição gritar o nome de todos jogadores do time antes das partidas. Porém, o nome de Richarlyson nunca foi mencionado por tais facções. Pelo contrário, a torcida já chegou a criar cantos para questionar a orientação sexual do volante.

Porém, os outros torcedores do São Paulo já chegaram a aplaudir e gritar o nome dele, em resposta ao preconceito da torcida organizada.

Namorada posa nua

Divulgação
Letícia Carlos posou nua após terminar o namoro com Richarlyson

Em meados de 2007, Richarlyson assumiu o namoro com Letícia Carlos, uma estudante de educação física pouco conhecida até então. O relacionamento dos dois foi bastante divulgado pela mídia, mas durou pouco tempo, menos de seis meses.

Foi o suficiente para Letícia chamar a atenção da Playboy. A revista masculina a contratou para ser capa da edição de janeiro de 2008.

Dois anos depois, ela voltou se destacar, mas dessa vez pelo relacionamento com outro jogador de futebol. O goleiro Felipe, atualmente no Flamengo, namorou com ela. O relacionamento dos dois acabou quando ela denunciou uma suposta agressão do arqueiro, que negou o fato.

Ofensas de Domingos

Em 2007, Rogério Ceni reclamou que o zagueiro Domingos, ex-Santos e Portuguesa, teria feito "ofensas morais" contra Richarlyson. Não ficou claro que ofensas seriam essas, mas o assuntou gerou polêmica e uma série de críticas contra o árbitro Sálvio Spinola, que teria visto a discussão, mas não relatou nada na súmula.

Leia tudo sobre: RicharlysonAtlético-MGSão PauloBrasileirão 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG