Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Record diz que também pretende negociar separadamente com clubes

Emissora anunciou que gostaria de participar da concorrência do Clube dos 13, mas apenas se entidade estiver unida

iG São Paulo |

A TV Record anunciou, nesta quarta-feira, que só vai participar da concorrência para comprar os direitos de transmissão para o Campeonato Brasileiro de 2012 a 2014 se todos os associados do Clube dos 13 participarem. Porém, se o C13 não conseguir reunir novamente os clubes, a Record diz que negociará separadamente com cada um dos 20 times, assim como fará a Globo.

A emissora elogiou a postura do C13, que enviou na semana passada carta convite às principais emissoras de televisão do Brasil (Globo, Record, Bandeirantes, SBT e Rede TV), convidando-as a participar da licitação para os direitos de TV aberta, com lance mínimo de R$ 500 milhões. O resultado seria divulgado dia 11 de março, mas dez clubes já anunciaram que pretendem negociar separadamente à concorrência estabelecida pelo C13 ( leia mais aqui ).

Na terça-feira (1° de março), o presidente do C13, Fábio Koff, esteve em Brasília reunido com a diretoria do Cade (Conselho de Administração de Defesa Econômica). A autarquia do Ministério da Justiça havia pedido para o C13 acabar com a cláusula de preferência que a TV Globo tinha e também com o ágio de 10% que favoreceria a emissora do Rio na licitação proposta. O Cade avisou que vai investigar caso seja observado que não houve concorrência na disputa, mas liberou a negociação separada .

Na nota, a TV Record provoca indiretamente a rival Rede Globo, citando vitória na compra dos direitos para os Jogos Olímpicos de Londres 2012, em concorrência aberta pelo COI (Comitê Olímpico Internacional), e diz também que o antigo modelo de transmissão prejudica os clubes porque os patrocinadores não são exibidos.

Veja a nota na íntegra:

A Rede Record vem a público expressar preocupação com as reações ao modelo de negociação proposto pelo Clube dos 13. O formato foi desenvolvido como consequência de um acordo entre o Clube dos 13 e o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Pelo que foi acertado, cláusulas que caracterizavam o favorecimento a um monopólio e impediam a participação de outros concorrentes de forma democrática e transparente foram proibidas.

O modelo anterior impôs aos clubes brasileiros o endividamento e a perda sucessiva de seus maiores talentos para outros países. Alguns clubes brasileiros passam meses sem parceiros patrocinadores porque camisas, luvas, bonés e até placas publicitárias são evitadas ou encobertas nas transmissões esportivas. Ainda existem alguns clubes brasileiros que simplesmente são ignorados durante a temporada e passam semanas sem que seus jogos sejam transmitidos.

A carta convite enviada pelo Clube dos 13 contempla uma concorrência transparente, séria, com regras claras. O documento exige propostas entregues em envelopes fechados e pressupõe declarar vencedor aquele que fizer a melhor proposta financeira para todos os clubes. O modelo é semelhante ao estabelecido pelo Comitê Olímpico Internacional para a disputa de direitos dos Jogos Olímpicos. A Record detém os direitos de transmissão exclusivos dos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres. Fez a melhor proposta e venceu. O mercado publicitário brasileiro - de forma ousada - correspondeu ao investimento da Rede Record e cobriu todos os custos de direitos e transmissão, além de gerar lucros. Parte do pacote olímpico já foi visto no Brasil com a premiada e pioneira cobertura esportiva dos Jogos de Inverno de 2010, de Vancouver, no Canadá. Prova inequívoca de que a Record quer inovar no esporte, tem apoio do mercado publicitário e retorno expressivo em audiência.
Este ano, em outubro, faremos o mesmo com os Jogos Panamericanos de Guadalajara.

A proposta do Clube dos 13 rompe com as obscuras negociações que favoreciam o monopólio e descaracterizavam a concorrência, impondo aos clubes valores e limitações exigidas pelos eternos favorecidos.

A Record reafirma o desejo de participar da concorrência do Clube dos 13, se os associados estiverem em acordo e unidos em busca de propostas que ofereçam alternativas para o torcedor brasileiro, melhorem arrecadações e ampliem a possibilidade de surgimento de novos patrocinadores.

Mas se os clubes desejarem uma negociação em separado, optando por outro modelo, a Record também pretende apresentar proposta, desde que as negociações sejam feitas seguindo padrões de transparência e regras claras. Ou seja, com a garantia de que a melhor proposta para a televisão aberta terá preferência.

Esta é a forma que a Record encontra para contribuir com a evolução e o desenvolvimento do futebol brasileiro, proporcionando ao torcedor acesso livre e gratuito ao esporte preferido da nação.


São Paulo, 02 de março de 2011
CENTRAL RECORD DE COMUNICAÇÃO

Leia tudo sobre: Clube dos 13GloboRecordCampeonato Brasileiro

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG