Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Recado de Souza deu início à arrancada de Jonas em 2010

Em entrevista ao iG, artilheiro do Brasileirão avalia a temporada, projeta renovação de contrato e sonha com títulos no Grêmio: ¿Sinto que ainda tenho muito a fazer¿

iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237854476701&_c_=MiGComponente_C

Em 2010, Souza não mostrou o mesmo futebol de outros tempos, mas teve papel decisivo no sucesso de Jonas, o artilheiro do Grêmio no ano e provavelmente do Brasileirão ¿ leva cinco gols de vantagem a Neymar, do Santos, faltando uma rodada. No primeiro jogo da temporada, no distante 17 de janeiro, após a vitória por 3 a 2 sobre o Pelotas, fora de casa pelo Gauchão, Souza puxou a reza no vestiário do Estádio da Boca do Lobo e mandou um recado a jogadores, comissão técnica e dirigentes: Pessoal, o que o Jonas fez hoje confirma a sua qualidade e a importância. Nós não podemos perdê-lo, disse o jogador.

A constatação de Souza, um dos grandes parceiros do centroavante no Olímpico, foi baseada na atuação do colega: entrou no intervalo, com 2 a 0 contra no placar, marcou um gol e comandou a virada do jogo. Porém, o recado também tinha como pano de fundo a indefinição do futuro. Desde a pré-temporada, em Bento Gonçalves, o atacante convivia com rumores de ser envolvido num troca-troca com o lateral-direito Vitor, do Goiás. Aquilo mexeu com ele a ponto de fazer o que foi visto durante todo este ano.

Os dirigentes não foram sinceros comigo. Em 2009, fui o artilheiro do time e, quando brigava para ser o goleador do Brasileirão, me machuquei. Quando achava que teria sequência, vi que poderia ser colocado numa troca. Senti que precisava mostrar meu valor, que não era moeda de troca. Deu no que deu, lembrou.

AE
"Senti que precisava mostrar meu valor", disse o artilheiro do Brasileirão, com 22 gols

Claro que a qualidade técnica de posicionamento, finalização, drible e oportunismo ajudaram. Mas a revelação, feita em entrevista ao iG, quinta-feira, na casa do artilheiro, é parte importante da avaliação da temporada, definida como nota 10. Afinal, ninguém faz o que ele fez só com motivação.

Sobre o futuro, uma esperança aos torcedores. Aos 26 anos, Jonas não entende ser o momento de deixar o Grêmio. Projeta disputar a próxima Libertadores e continuar a quebrar recordes. No último domingo, por exemplo, atingiu a marca de 74 gols pelo clube, igualando a de Renato Gaúcho, o atual chefe. Mas tem mais: são 41 gols em 64 jogos, maior artilheiro tricolor numa única edição de Brasileiro, ambos neste ano, e a indicação ao prêmio Craque do Brasileirão.

Sinto que ainda tenho muito a fazer. Quero um título de maior expressão, só ganhei o Gauchão aqui. Por isso, quero ampliar o contrato logo (termina no fim de 2011). Agora, não depende só de mim. Claro que se vier uma proposta irrecusável as coisas poderão mudar. Até agora não teve nada, analisou o atacante.

Tudo, então, pode passar pelo jogo contra o Botafogo, domingo, quando a quarta vaga na Libertadores será decidida. Quem conquistá-la torcerá pelo fracasso do Goiás na Sul-Americana para ratificar a classificação.

O ambiente está bom, com confiança e está lotado. Mas nada está ganho. O Botafogo tem qualidade, diz Jonas.

Esta sinceridade, aliás, é outra característica marcante dele. Jonas considerou-se apenas um dos melhores do torneiro. Apontou a má preparação após o recesso da Copa do Mundo como responsável pela má campanha no primeiro turno e pela demissão de Silas. Citou Renato e sua habilidade em passar confiança ao grupo como fundamental na retomada do time. E diz não ter ficado chateado com sua ausência nas últimas convocações de Mano Menezes para a seleção. Quem sabe em 2011...

Leia tudo sobre: campeonato brasileirogrêmio

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG