Tamanho do texto

Time espanhol enfrentou poucas dificuldades para conseguir sua terceira vitória em três jogos na Liga dos Campeões

Diante de um Lyon tímido e omisso, o Real Madrid passou como um rolo compressor e aplicou 4 a 0 em Santiago Bernabéu para disparar na liderança do Grupo D da Liga dos Campeões . A postura agressiva do time espanhol, que tinha toque de bola e capacidade de chegar à frente, rendeu os tentos marcados por Benzema, Khedira, Ozil e Sérgio Ramos.

El Pichichi: Veja os gols do Real Madrid

Nada demais achar que 0 a 0 é um bom placar dentro de Santiago Bernabéu contra o Real Madrid. O problema é manter a omissão quando se está em desvantagem no placar. O Lyon não jogava para reagir, só para não tomar outros gols. Esse comportamento não rendeu fruto algum, tanto que foram quatro gols tomados.

Benzema abre o placar e comemora gol contra seu ex-time, o Lyon
AFP
Benzema abre o placar e comemora gol contra seu ex-time, o Lyon

O Jogo
O primeiro tempo de bola rolando não teve muitos lances de emoção, apenas o suficiente para notar que o Real Madrid, extremamente ofensivo e individualmente brilhante, dominava e podia alcançar o primeiro gol a qualquer momento.

O time espanhol tinha a bola nos pés e não desperdiçava as chances de bater para o gol e ser mais ousado, como em algumas das últimas apresentações pela Liga dos Campeões da Europa. Dentro de suas características, o time merengue dominava o adversário e impunha pressão.

Por outro lado, o Lyon adotou uma postura muito defensiva, o que não ajudou em nada quando a equipe tinha a bola nos pés. O único desafogo era Michel Bastos, sempre bem posicionado pela esquerda.
A primeira chance criada pelo time de José Mourinho foi justamente por conta de uma bronca do comandante, que queria os jogadores arriscando de fora graças à boa marcação do time francês, que não permitia a aproximação. O responsável pelo primeiro lance foi Cristiano Ronaldo, que chutou aos seis minutos para Lloris espalmar pela lateral.

A partir dos 12 minutos, o Real Madrid começou a ser mais intenso. Nesse lance, Marcelo serviu Cristiano Ronaldo, que fintou dois adversários, mas perdeu a bola para o zagueiro Lovren. O defensor resolveu recuar para Lloris, mas quase marcou gol contra. Cinco minutos depois, após cobrança de escanteio, Cristiano Ronaldo aplicou um chapéu no marcador, dominou no peito e bateu forte. A bola desviou no jogador do Lyon e saiu para escanteio.

Justamente após a cobrança de escanteio, Khedira se antecipou à marcação e cabeceou da primeira trave para trás. Providencial, Benzema colocou o pé e jogou para as redes antes que ela saísse do outro lado, abrindo o placar para o time merengue, que já estava merecendo aproveitar as chances criadas.

O Lyon só conseguia chegar à frente nos erros do Real Madrid. Não havia opção de jogada que não fosse com Michel Bastos. Tímido em Santiago Bernabéu, era presa fácil para o Real Madrid, que trocava passes no meio-de-campo e atacava no momento oportuno, quase sempre com Cristiano Ronaldo, muito inspirado nessa tarde de terça-feira.

Abusando muito do preciosismo no final da primeira etapa, o Real Madrid não conseguiu dilatar o placar. Todos os gols ficaram para o segundo tempo, quando o time espanhol não titubeou em anular Michel Bastos e continuar pressionando por todos os lados.

Logo aos dois minutos da segunda etapa, Marcelo lançou Benzema do campo de defesa, mais uma jogada característica do Real Madrid. O atacante fez o domínio e viu Khedira sem marcação no meio da área. O turco só teve o trabalho de tirar do goleiro Lloris, que nem viu por onde a bola entrou.

O time espanhol armava tramas ofensivas quando bem entendia, sempre sem marcação. Tanto que, apenas oito minutos após o segundo gol, veio o terceiro dos pés de Ozil. Na troca de passes entre Benzema e Marcelo, a marcação do Lyon desvia e a sobra fica para Ozil. O meio-campista tentou o cruzamento para o meio da área, mas a bola desviou no defensor do Lyon e entrou. O Real Madrid ampliava a vantagem com facilidade.

Mais pressão, mais toque de bola fácil, mais tranquilidade para fazer o quarto gol. O Lyon não via a cor da bola e só assistia o time espanhol se reorganizar e atacar. Em cobrança de escanteio de Kaká, que havia entrado dez minutos antes, Sérgio Ramos teve tempo de receber a bola, parar, pensar e bater forte, no ângulo esquerdo de Lloris para marcar o quarto e último gol.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.