Com revelações no gol, Palmeiras e Santos apostam em jovens para esquecerem Marcos e Fábio Costa

O clássico entre Santos e Palmeiras neste domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro , pela 17ª rodada do Campeonato Paulista, expõe o encontro de dois goleiros – Rafael e Deola – que estão fazendo as torcidas esquecerem os ídolos Marcos e Fábio Costa. Os jovens goleiros aproveitam o drama vivido pelos veteranos para se consolidarem no gol de suas equipes.

“Primeiro é bom ver o Deola bem, um goleiro que batalhou bastante e saiu diversas vezes emprestado. Fico feliz pelas coisas estarem dando certas para ele, o Palmeiras tem a melhor defesa do campeonato. A maior responsabilidade para nós é vestir a camisa de um grande clube, fico feliz por estar no Santos e ele (Deola) no Palmeiras. Vestir a camisa do Santos é maior que substituir ídolos”, afirmou Rafael ao iG.

Marcos e Fábio Costa passam por episódios diferentes, mas ambos não conseguem mais voltara a atuar. O goleiro do Palmeiras briga contra dores no joelho esquerdo, que o incomoda desde o meio do ano passado. O camisa 12 já voltou a trabalhar com a bola, mas o joelho não está totalmente em condições para jogo.

“Quem decide é o treinador, não tenho de me meter nisso. Se o Marcos estiver bem, para mim ele é o titular. Embora eu vá perder com isso, mas para mim ele é o titular e tem de jogar. Tem de ver as condições dele, mas ele logo volta e jogar”, afirmou Deola.

Deola aproveita oportunidade, utiliza discurso humilde e acredita que Marcos voltará como titular
AE
Deola aproveita oportunidade, utiliza discurso humilde e acredita que Marcos voltará como titular

A situação de Fábio Costa é ainda pior. Ídolo da torcida santista no título brasileiro de 2002, o goleiro não está nos planos de Atlético-MG e Santos e aguarda negociações com outros clubes para voltar a jogar futebol. O goleiro esperava rescindir o contrato com o clube mineiro, mas a diretoria santista vetou a rescisão, já que não pretende contar com Fábio Costa, que está emprestado ao Atlético até o final deste ano e tem vínculo com o Santos até 2013.

Enquanto goleiros experientes como Fábio Costa e Marcos não voltam aos gramados, as jovens revelações da camisa 1 vão aproveitando as oportunidades no futebol brasileiro. “Está mudando muito a cabeça de diretores. Eu estava vendo a entrevista do Rogério (Ceni), ele começou a jogar com 23 anos, eu ficou feliz por estar jogando no Santos com 20 anos. Tem uma safra muito boa de goleiros no Brasil”, disse Rafael.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.