Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Queda do São Paulo teve amplo domínio não transformado em gols

Time foi melhor que o Avaí em quase todas as estatísticas; na prática, números não ajudaram a obter vaga

Levi Guimarães, iG São Paulo |

Quem analisar os números da derrota do São Paulo por 3 a 1 para o Avaí dificilmente conseguirá entender como o time do Morumbi foi superado. E ainda mais pela vantagem de gols que a equipe catarinense precisava para se classificar na Copa do Brasil depois de ter perdido o jogo de ida por 1 a 0.

Tenha as estatísticas no seu iPhone e faça comparações entre times e jogadores

Em praticamente todos os critérios computados a vantagem foi do São Paulo na noite de quinta-feira no estádio da Ressacada, com destaque para os números de passes certos (313 x 177), lançamentos certos (23 x 17), dribles certos (14 x 7) e, principalmente, posse de bola (62,37% contra 37,63%). Os números são da Footstats e estão disponíveis no aplicativo iG Esporte para iPhone e iPad.

Assim, a vitória do Avaí saiu dos poucos critérios em que o time catarinense conseguiu ser um pouco melhor. E aí destacam-se, claro, as finalizações a gol. Enquanto o São Paulo deu 20 chutes, o Avaí deu 15. Mas os anfitriões acertaram 7 na direção do gol de Rogério Ceni, enquanto os visitantes mandaram 15 direto para fora, sem ameaçar Renan.

Outros dois aspectos que ajudam a explicar o resultado são o número de desarmes (27 do Avaí contra 20 do São Paulo), que permitiu o surgimento de alguns contra ataques, e o número de escanteios (8 x 4), afinal, foi de um deles que saiu o segundo gol catarinense, marcado por Bruno após confusão na área são-paulina.

Números à parte, algumas declarações de jogadores das duas equipes também mostraram o quanto o resultado foi inesperado. Do lado do São Paulo, o meia Lucas destacou a queda de rendimento. “Começamos a mil por hora, tentamos, criamos bastante, mas o gol de empate foi um banho de água fria”, disse.

O lateral esquerdo Juan também seguiu a linha de lamentar os erros, “faz parte do futebol. Não tem justiça e injustiça. Nós erramos, pagamos pelos nossos erros e fomos eliminados”. E por fim, pelo lado do Avaí, o atacante William mostrou como o adversário era considerado amplamente favorito: “foi um duelo de Davi contra Golias e graças a Deus conseguimos cortar fora a cabeça do Golias”.

Leia tudo sobre: avaísão paulocopa do brasil 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG