Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Presidente faz 2 gols, mas brasileiros vencem na Chechênia

Equipe com Dunga, Romário, Bebeto e Cafu fez 6 a 4 em partida contra veteranos em Grozny

iG São Paulo* |

Um time formado por ex-jogadores da seleção brasileira venceu um combinado local da Chechênia em amistoso disputado nesta terça-feira em Grozny. O presidente da região russa, Ramzan Kadyrov, disputou a partida e marcou dois gols. O jogo terminou em 6 a 4 para os brasileiros.

Os gols do Brasil, foram marcados por Romário, dois, Bebeto, dois, Cafu e Sávio. O presidente checheno desperdiçou duas cobranças de pênaltis, defendidas por Zetti.O holandês Rudd Gullit reforçou o time local, que teve ex-jogadores russos e o alemão Lothar Matthäus.

Apesar das autoridades locais terem anunciado a presença de jogadores campeões do mundo em 2002 - Ronaldo, Ronaldinho, Kaká -, a equipe brasileira foi formada por atletas que conquistaram o título em 1994. Também estiveram presentes Denílson, campeão em 2002, e Élber, que não disputou nenhuma Copa.

Um grande dispositivo de segurança foi mobilizado em Grozny para a partida, disputada no estádio do clube Terek, cenário em 2004 de um atentado que matou o presidente checheno pró-Moscou Akhmad Kadyrov.

Além de marcar dois gols, o jovem presidente e homem forte da Chechênia, Ramzan Kadyrov, foi o capitão da equipe. Ele afirmou que os brasileiros não cobraram para jogar o amistoso. "Pagamento? Eles que se ofereceram para vir", declarou Kadyrov na segunda-feira. Romário, entretanto, afirmou, ainda no Brasil, que receberia uma “boa compensação financeira” para abandonar o Rio de Janeiro em pleno Carnaval.

A população local também parece acreditar na versão do presidente. "Vamos ganhar dos brasileiros. Kadyrov dirá 'te dou 100.000 dólares e me deixa passar com a bola", ironizou um morador, que pediu anonimato, em referência à corrupção onipresente na Rússia.

Moscou permite ao presidente checheno de 34 anos uma relativa estabilidade e confia nele para conter a rebelião, que superou as fronteiras da Chechênia e em meados da década passada se tornou um movimento islamita armado ativo em todo Cáucaso do Norte.

Apesar da instabilidade e do alto nível de desemprego nas pequenas repúblicas do Cáucaso, os gastos com futebol parecem não ter preço. Em janeiro, o Terek Grozny, quase rebaixado na temporada passada, contratou como técnico o holandês Ruud Gullit.Mês passado, o Anzhi Makhatchkala, do Daguestão, contratou o lateral brasileiro Roberto Carlos com o maior salário de um jogador no futebol russo.

* com AFP
 

Leia tudo sobre: DungaRomárioBebetoChechêniaseleção brasileira

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG