Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Presidente do Internacional pede ajuda para manter Leandro Damião

Giovanni Luigi fala em segurar o jogador para 2012, mas admite que valorização do atacante tem limite

Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre |

AP
Damião já chegou na seleção brasileira e está cada vez mais valorizado
Segurar um jogador de seleção brasileira não é fácil, ainda mais se ele for o maior artilheiro do país, ainda mais se for um jovem de 22 anos. O mercado europeu cresce o olho. É o caso do Inter com Leandro Damião.

O clube gaúcho sobreviveu à última janela de transferências. Conseguiu segurar seu camisa nove embora tenha recebido várias sondagens e algumas ofertas. O próximo objetivo é segurar o jogador também no mês de janeiro, quando reabre o período de contratações na Europa. Para isso, o presidente do clube pede a ajuda de todos.

“Quero trabalhar na ideia de manter o Damião também em janeiro. Mas nós sozinhos não conseguimos, precisamos envolver todo o clube, a comunidade colorada para termos recursos de manter o jogador”, disse Giovanni Luigi.

Entre para a Torcida Virtual do Inter e convide seus amigos

Grêmio tem a maior torcida do Twitter. Amplie a do Inter

Uma das ideias é ampliar o quadro social de 100 para 200 mil sócios. Não é uma certeza de que o jogador ficará para sempre, mas ajudará muito.

“Não dá pra imaginar (que ficará para sempre), mesmo com 200 mil sócios, pois os próprios atletas tem a necessidade de jogar na Europa. O Internacional tem sido competente em formar outros jogadores. Se o Nilmar não tivesse saído, não teriam aparecido outros atacantes. E assim com o Rafael Sobis e tantos outros”, explicou.

Outra certeza do presidente é que por mais que Damião empilhe gols o preço de mercado tem um limite. O clube gaúcho quer mais do que os 12 milhões de euros (R$ 27,3 milhões) oferecidos pelo Tottenham, mas sabe que não poderá exigir os 50 milhões de euros (R$ 117,5 milhões) que constam na multa rescisória.

“Historicamente sabemos que o futebol do exterior não paga para os sul-americanos valores tão altos. Eles compram por um valor menor e só investem mais depois de dois ou três anos do jogador na Europa”, completou.
 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG