Famosa e controvertida disputa dos dois clubes para contratar ex-atleta de origem moçambicana se estendeu durante mais de cinco meses

Portugal comemora os 50 anos da chegada ao futebol do país do melhor jogador de sua história, Eusébio, cuja contratação desencadeou uma disputa ferrenha entre o Sporting e o Benfica para contratá-lo.

A famosa e controvertida disputa dos dois clubes de Lisboa para contratar o ex-atleta de origem moçambicana se estendeu durante mais de cinco meses, o que o impediu de disputar a final da Copa da Europa de 1961, em que o Benfica bateu o Barcelona.

No entanto, o astro luso, que chegou a Portugal em 15 de dezembro de 1960, pôde finalmente entrar em campo em 1962, quando participou da vitória no mesmo torneio, desta vez contra o Real Madrid.

O ex-jogador, apelidado de 'Pantera Negra', conseguiu durante sua carreira algumas marcas e feitos importantes, como ter marcado 320 gols na primeira divisão do Campeonato Português, ter sido 11 vezes campeão nacional, ter recebido a Bola de Ouro em 1965 e ter se consagrado em duas ocasiões Chuteira de Ouro da Europa, com 43 gols na temporada 1967/68 e 40 na 1972/73.

Pela seleção lusa, Eusébio marcou 41 gols em 64 partidas e alcançou a terceira colocação da Copa do Mundo de 1966, na Inglaterra, competição da qual foi o artilheiro.

A bem-sucedida trajetória do 'Pantera Negra' foi iniciada quando abandonou seu país natal com apenas 18 anos em meados de dezembro de 1960 e viajou como clandestino, inclusive utilizando um nome de mulher, até chegar a Lisboa, onde foi recebido por seu compatriota e já jogador do Benfica Mário Coluna.

A mãe de Eusébio escreveu a Coluna uma carta na qual pedia para que ele cuidasse de seu filho.

O então jogador do Benfica se tornou, mais tarde, uma espécie de protetor do astro, a quem ajudou a ganhar seus primeiros escudos, a moeda portuguesa da época, e a comprar suas primeiras roupas.

Eusébio aterrissou na capital lusa após ter se destacado no Sporting Lourenço Marques, de Moçambique, por sua capacidade de fazer gols, o que em breve chegou ao conhecimento dos grandes clubes portugueses da época.

Embora a história de sua contratação ainda siga rodeada de polêmica, a versão mais estendida aponta que o Benfica negociou diretamente com a mãe do jogador e conseguiu fechar sua transferência por 250 mil escudos, enquanto o Sporting chegou a um acordo com seu clube de origem que, no fim, não serviu para nada.

Rodeado do mais estrito segredo, com o Benfica até utilizando em seus documentos o nome de Ruth Malosso quando se referia a Eusébio para despistar, o clube de Lisboa decidiu isolar o jogador em sua chegada à capital e o transferiu a um hotel do Algarve, no sul de país, onde permaneceu por vários dias.

"Levantava cedo para fazer umas corridas e dar uns toques na bola. Ninguém me conhecia, e no hotel só havia estrangeiros", lembrou nesta quarta o jogador em declarações ao jornal português "A Bola".

O temor pela descoberta do 'Pantera Negra' chegou até tal ponto que inclusive se diz que o então dirigente do Benfica Domingos Claudino dormia com uma pequena corda atada por um extremo a um dedo de seu pé e pelo outro ao dedo de Eusébio, por medo de alguém raptá-lo durante a noite.

O Sporting protestou à Federação Portuguesa de Futebol, e inclusive seu clube de origem em Moçambique denunciou a retenção do jogador por não o terem deixado retornar a seu país de origem.

Os problemas legais forçaram Eusébio a estrear cinco meses após chegar a Lisboa em um amistoso, no qual marcou três dos quatro gols de sua equipe.

Sua transferência oficial foi fechada com o sinal verde da Associação Provincial de Futebol de Moçambique.

Após 15 bem-sucedidos anos no Benfica, Eusébio começou um périplo que o levou a jogar com quatro equipes diferentes dos Estados Unidos, no mexicano Monterrey e até na segunda divisão lusa, para se aposentar na temporada 1977/78, aos 36 anos. EFE otp/dr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.