Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Por intuição, técnico Falcão já escalou goleiro como centroavante

Internacional embarca nesta quarta-feira para o Uruguai, onde enfrenta o Peñarol pela Copa Libertadores

Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre |

Em duas semanas de Inter, Falcão já deixou claro que vai escalar sempre quem estiver melhor, mas pelo menos duas vezes já deixou escapar que às vezes apela para a intuição quando decide pela titularidade de um jogador. Nesta semana ele contou uma história curiosa para ilustrar o poder da sua intuição.

“Vou contar uma historinha pra vocês. Quando fui pro América do México (1991) tínhamos dificuldade na função de centroavante. Eu tinha um goleiro reserva, 1m98cm, que era o grande destaque dos treinos recreativos. Chamei ele e perguntei se ele jogaria de centroavante. Ele disse que nunca havia jogado, mas que topava. Ele fez a camiseta e colocou por baixo do uniforme de goleiro. Estávamos enfrentando o Querétaro e mandei o Chávez (nome do goleiro) aquecer. Coloquei ele de centroavante, cruzamos uma bola na área, ficaram todos preocupados com ele, mas o chute acabou indo direto para o gol. Vencemos o jogo por 1 a 0”, contou Falcão.

Ele usou a história para ilustrar o que fará quando Lauro, goleiro até então titular, se recuperar de lesão. Renan vem jogando, e bem, mas Falcão acabou deixando aberta qual será a sua decisão quando tiver os dois recuperados.

O treinador do Inter usou o treino de terça-feira para definir o time que enfrenta o Peñarol, quinta-feira, às 19h30, no estádio Centenário. Andrezinho será titular, Oscar ficará no banco. Neste caso Falcão usou como critério o bom momento do meia, e não a intuição. Ele também tratou de deixar claro, em tom de brincadeira, que não pretende colocar nenhum goleiro do Inter como atacante.

A delegação embarca para o Uruguai nesta quarta-feira, às 13horas. O time terá Renan; Nei, Bolívar, Rodrigo e Kléber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho e D´Alessandro; Rafael Sobis e Leandro Damião.

A tal história do goleiro que virou atacante teve uma repercussão estranha na época. Falcão achou que havia tido um grande lance, mas não agradou muito os mexicanos.

“Saí do estádio me achando o melhor estrategista do mundo, liguei o rádio e todos estavam me dando um pau.”, finalizou.
 

Leia tudo sobre: InternacionalFalcão

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG